Tecnologia digital: Brasil avança, mas deve investir em educação

Para professor de economia da USP, falta o acompanhamento das políticas públicas que são implementadas no País

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

Recentemente, o governo federal lançou a Estratégia Brasileira para a Transformação Digital (E-digital). O projeto foi sintetizado em um documento que possui diretrizes e ações pensadas para promover o uso de novas tecnologias da informação e da comunicação (TICs). O objetivo geral proposto no documento é aproveitar o potencial das tecnologias digitais para aumentar os níveis de produtividade, de competitividade, de renda e emprego em todo o País, buscando construir uma sociedade mais próspera. O professor Erasmo José Gomes, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (Fearp) da USP, analisou esse programa.

Para o economista, a iniciativa é bem-vinda e mostra um alinhamento com as tendências mundiais em relação às TICs, e deixa claro que, para o Brasil, existe a intenção de avançar nesse sentido. O País ocupa a 80ª posição no Índice de Competitividade Mundial e a 69ª colocação no Índice Global de Inovação. O professor ressalta que esse avanço não é fácil e exige um esforço de coordenação e implementação de políticas públicas com recursos alocados e avaliação dos resultados da estratégia.

Para Erasmo José Gomes, além do recurso direto para essas tecnologias em pesquisa, desenvolvimento, aquisição de máquinas, etc., é necessário fazer também outros investimentos que instigarão o conhecimento. O especialista destaca dois indicadores presentes no índice de competitividade: Qualidade da educação em matemática e ciências, no qual o Brasil ocupa a posição 131 de 137 países, e o de Qualidade do sistema educacional, em que figura na 125ª posição. São segmentos extremamente importantes para o desenvolvimento da tecnologia da informação e da comunicação e mão de obra qualificada.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados