Os principais temas da atualidade em debate com dois especialistas da Universidade de São Paulo.

Apresentação: Marcelo Rollemberg
Produção:
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: sextas, às 11h10, com reprise às segundas, das 2h e domingos, às 8h
Duração: 1 hora

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Diálogos na USP

Diálogos na USP #11 Privatização: muito além da venda de estatais

Para responder questões sobre Privatização, o Diálogos na USP, apresentado por Marcello Rollemberg, recebeu Marcos Augusto Perez, professor de Direito Administrativo da Faculdade de Direito da USP, com mais de 30 anos de atuação nas áreas de Direito Administrativo, Constitucional, Financeiro e Empresarial. Falou também Sérgio Adorno, professor titular de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP e coordenador do Núcleo de Estudos da Violência, NEV-USP

Diálogos na USP #09 Locomoção nas grandes cidades ainda é um desafio

Para falar sobre mobilidade urbana nas grandes cidades, o Diálogos na USP , apresentado por Marcello Rollemberg, recebeu Orlando Strambi, professor titular sênior da Escola Politécnica da USP e sócio-fundador da associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transporte. Além dele, falou Carolina Requena, doutoranda no Departamento de Ciência Política da USP e pesquisadora do Centro de Estudos da Metrópole (CEM).

Orlando Strambi diz que São Paulo não é tão diferente de outras grandes cidades. A natureza do problema, ou seja, a questão da mobilidade, é semelhante em todas. A questão da imobilidade, por outro lado, é um conceito que se aplica em planejamento de transportes e chega a ser medido costumeiramente, levando-se em conta aqueles que não se deslocam cotidianamente. O professor explica que aproximadamente 30% da população não apresenta deslocamento significativo. Todavia, deve-se entender se o deslocamento não ocorre por questões de escolha ou por falta de possibilidade, em razão de falhas no transporte.

Carolina Requena explica que há pessoas que estão mais imóveis do que outras, pois há um sistema hierárquico.“A região metropolitana já é uma região que tem muitas desigualdades de diversas ordens sociais e econômicas. O sistema de mobilidade poderia vir para dirimir um pouco a situação”, avalia a pesquisadora, complementando que, na atualidade, ele apenas reforça o fato. Pessoas que se deslocam de automóvel próprio têm mais conforto e chegam rapidamente aos seus destinos, enquanto aqueles que não possuem ficam presos no transporte público em meio ao trânsito, que é provocado justamente pela quantidade de carros.

Diálogos na USP #8 Falta de investimento barra melhora da qualidade de ensino brasileiro

No último dia 8, comemorou-se o Dia Mundial da Educação. Se é uma data para ser lembrada e celebrada, no Brasil talvez seja um momento para uma profunda reflexão. Afinal, quais os caminhos que a educação brasileira tem trilhado? Desde a educação básica até o ensino superior, o que tem sido feito e o que precisa se fazer para a educação do País chegar a patamares de excelência?

Diálogos na USP #07 Queimadas na Amazônia preocupam cientistas

A Amazônia está em chamas e a questão da destruição da floresta ganhou muita força e chamou atenção da comunidade internacional nas últimas semanas. Desde que dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indicaram um aumento nos focos de queimada na Amazônia, todas as atenções se voltaram para aquela região, para o bem e para o mal.

O governo, inicialmente, negou os dados e demitiu Ricardo Galvão, diretor do Inpe. Depois, afirmou, sem prova alguma, que as queimadas eram culpa das ONG’s. Por fim, entrou em disputa diplomática com vários países ー principalmente a França, a Alemanha e a Noruega. A Alemanha, por exemplo, suspendeu o repasse de R$ 151 milhões para o Fundo Amazônia, e a Noruega, mais de R$ 130 milhões. O Diálogos na USP, apresentado por Marcello Rollemberg, recebeu Paulo Artaxo, professor sênior do Instituto de Física (IF) da USP, membro do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) e coordenador do Programa Fapesp de Mudanças Climáticas Globais. Também falou Edson José Vidal da Silva, professor do Departamento de Ciências Florestais da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, que atuou por 14 anos como pesquisador do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon)

Diálogos na USP #06 China ganha forças no mercado mundial e EUA reagem

Alexandre Ratsuo Uehara e João Paulo Veiga comentam sobre as disputas comerciais entre as duas potências no “Diálogos na USP”. Desde o começo de 2018, a disputa comercial entre Estados Unidos e China vem preocupando a todos, e não é para menos. Com a desculpa de querer proteger os produtores americanos e reverter o déficit comercial com a China, o presidente Donald Trump vem anunciando, desde o ano passado, tarifas sobre produtos importados do país asiático.

Já o governo chinês tem reagido com retaliações, também impondo tarifas sobre produtos americanos. Nessa disputa entre a primeira e a segunda economias do mundo, a preocupação é a de que, se os dois países sofrerem consequências negativas nessa disputa, outros países e a economia global possam ser impactados em uma reação em cadeia.

Neste mês de agosto, as tensões pioraram, já que a disputa passou de ameaças sobre novas tarifas para o campo cambial. Em reação à ação americana, a China desvalorizou sua moeda e foi acusada de manipulação cambial. No Brasil, por exemplo, o dólar disparou

Diálogos na USP #05 Inteligência Artificial quebra fronteiras e apresenta novas possibilidades

Inteligência Artificial é um ramo da ciência da computação que se propõe a elaborar dispositivos que simulem a capacidade humana de raciocinar, perceber, tomar decisões e resolver problemas, ou seja, a capacidade de ser inteligente. O crescimento da utilização desse recurso é analisado pelos professores Glauco Arbix e Fabio Gagliardi Cozman em mais uma edição do “Diálogos na USP”

Diálogos na USP #04 Televisão ainda se sobrepõe às plataformas de streaming

Inaugurada em 1950, a televisão no Brasil em pouco tempo desbancou o rádio e ganhou um lugar de destaque nos lares brasileiros. Ver televisão, mais do que um entretenimento, era um evento social, com família e amigos reunidos diante da tela. Com o passar das décadas, essa ação só se intensificou. Com a chegada da TV paga nos anos 90, o interesse se diversificou. Afinal, diferentemente das atrações oferecidas pelos canais tradicionais da TV aberta, nos canais por assinatura o espectador podia escolher que tipo de canal assistir e que tipo de programa mais lhe interessava. A segmentação havia chegado para ficar. Nos últimos anos, vimos uma mudança ainda mais radical no antes tão simplista – e ao mesmo tempo empolgante – ato de assistir TV: a chegada do streaming, como a Netflix e a HBO. Com ofertas multiplicadas e proporcionando ao espectador a possibilidade de ver filmes, documentários e séries quando quiser, ficar diante da tela agora é uma ação, digamos, bem mais complexa

Diálogos na USP #03 Mercosul e UE finalizam acordo

Esse acordo se coloca como o segundo maior do mundo em relação ao PIB somado de seus participantes, atrás apenas do PIB do acordo entre a União Europeia e o Japão.
Por outro lado, ao mesmo tempo que vemos parcerias sendo fechadas, temos também rixas crescentes, como as disputas comerciais entre Estados Unidos e China, por exemplo. Além do mais, não é apenas a questão puramente econômica que deve ser colocada em uma mesa de negociação ou na formalização de parcerias. Questões sociais e do meio ambiente também precisam ser levadas em consideração. Mas o que essas parcerias realmente significam? Qual o papel do Brasil nesse mundo globalizado?
Os professores Pedro Dallari e Simão Silber comentam o novo acordo entre Mercosul e União Europeia e quais serão as mudanças que os blocos enfrentarão no Diálogos na USP desta semana

Diálogos na USP #02 Chegada do homem à Lua um grande salto para a Humanidade

No “Diálogos na USP”, os professores Glauco Arbix e Amâncio César Friaça relembram os 50 anos da chegada do homem à Lua. A importância da data reside no fato de essa conquista espacial ter sido responsável por elevar o nível da ciência mundial, inspirando carreiras ao mostrar que o espaço não era uma fronteira intransponível