Militarização não é a única responsável pela violência policial, aponta especialista

Glauco Silva de Carvalho comenta os fatores responsáveis pela violência e afirma que a solução deve passar não só pela Polícia Militar, mas por outros setores da sociedade

Mesmo durante a pandemia, a violência policial vem crescendo no Brasil, como aponta o Fórum Brasileiro e Segurança Pública e o Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da USP, portanto, o Especial Segurança do Jornal da USP no Ar segue conversando com especialistas da USP sobre como solucionar o problema. Glauco Silva de Carvalho, doutor em Ciência Política pela FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas) da USP e coronel da Polícia Militar do Estado de São Paulo, afirma que a militarização não é o único fator responsável pela crescente violência policial. Em entrevista ele listou outros aspectos que devem ser levados em consideração.

“O policial parou de acreditar no sistema criminal, muitos policiais foram mortos, os culpados absolvidos, e ele [policial] está nas ruas durante todo o dia. Outro fator é que, em São Paulo, especificamente, há uma má distribuição, há a mesma proporção de agentes em áreas extremas, como Brasilândia e Capão Redondo, e em áreas centrais. Outro ponto importante para poder explicar este tipo de violência é que não houve, nos últimos 25 anos, aumento no efetivo policial, enquanto a população teve incremento de 10 milhões de pessoas [no Estado de São Paulo].”

E quando grande parte da população está confinada, quando deveria ter uma diminuição dos conflitos nas ruas, é registrado o aumento dos casos de violência policial. Para o coronel, a situação “é preocupante” e o grande desafio para a Polícia Militar, ao tentar corrigir tal desalinhamento, “é estabelecer a legitimidade da instituição e a reconciliação, já que houve em determinados períodos uma perda de contato entre polícia e sociedade”.

A militarização da polícia, que é apontada por uma parcela da população como a principal responsável pela violência, de acordo com Glauco Carvalho, não é o único problema. “Dois terços da população da Europa é policiada por polícias militarizadas e não há problemas de violência como no Brasil. O sistema brasileiro é arcaico, mas o problema não está na militarização. A solução é, em parte, institucional, deve passar sim pela polícia, mas também deve passar por outros setores da sociedade”, comenta o coronel.

Ouça a íntegra da entrevista no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.