Para colunista, trabalho de meio período é mais produtivo

Redução da jornada de trabalho depende da iniciativa de empresas em reconhecer essa vantagem

Desde os anos 1980, a computação promete aliviar a carga de trabalho da população. Em 2017, no entanto, o tempo e a energia das pessoas continuam a ser consumidos por uma rotina dedicada ao labor.

Para o professor Luli Radfahrer, as horas produtivas dentro do ambiente de trabalho já são poucas. O que falta é as empresas tomarem o primeiro passo para adotar o meio período, oferecendo algo que já se sabe ser benéfico. “Dá para se trabalhar tranquilamente metade do que se trabalha e ser tão ou igualmente produtivo”, diz o colunista. Eliminar e-mails, redes sociais e reuniões do dia seriam outro modo de economizar tempo e dispensar inutilidades.

Uma consequência direta de adotar o meio período seria o surgimento de algo escasso: o tempo livre. Para Radfahrer, essas horas extras fora do ambiente de trabalho possibilitariam que as pessoas redescobrissem ocupações criativas e pudessem esgotar o cansaço que as acompanha diariamente.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.