Colunista discute motivos para a China não reprimir protestos em Hong Kong

“Há 30 anos a China reprimia brutalmente os manifestantes da Praça da Paz Celestial. O que explica sua hesitação em intervir nos protestos de Hong Kong?”, questiona Marília Fiorillo

Na última terça-feira, Pequim teve um dia de paradas militares em comemoração aos 70 anos da fundação da República Popular da China. Ao mesmo tempo, mais protestos explodiam em Hong Kong – inclusive com um jovem manifestante baleado.

Nesta edição de sua coluna, a professora Marília Fiorillo relembra o massacre da Praça da Paz Celestial, em 1989. No episódio, manifestantes acampados nessa praça, no centro de Pequim, foram atacados por tanques de guerra e metralhadoras do exército chinês. “Por que Beijing simplesmente não usou a mesma força letal de 89 para deter em um único dia a revolta dos manifestantes em Hong Kong?”, indaga a colunista.

Ouça, no player acima, a íntegra da coluna Conflito e Diálogo.


Conflito e Diálogo
A coluna Conflito e Diálogo, com a professora Marília Fiorillo, vai ao ar toda sexta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.