Morticínio em Myanmar tende a piorar enquanto o mundo se ocupa com a pandemia

Segundo Marília Fiorillo, mais de 520 civis foram assassinados pelas forças de segurança do país e a TV estatal militarizada repete diariamente: “Não saia de casa, pois pode levar um tiro na cabeça ou pelas costas”

 02/04/2021 - Publicado há 8 meses  Atualizado: 09/04/2021 as 10:44

Na coluna Conflito e Diálogo desta semana, Marília Fiorillo discute a situação em Myanmar, que tem se agravado a cada dia. Até o momento, mais de 520 civis foram assassinados pelas forças de segurança do país. Na rede televisiva estatal da região, a população é aconselhada a ficar em casa e avisada sobre o risco de sair na rua e ser alvejada por tiros na cabeça ou nas costas.

Segundo a colunista, as manifestações, que começaram pacificamente em fevereiro deste ano, se tornaram um banho de sangue. Civis estão sendo assassinados, mesmo aqueles não participantes de atos reivindicando a democracia e a suspensão da ditadura. Os pertencentes à etnia karen tentam refúgio na Tailândia, mas estão sendo expulsos e obrigados a se alojar em cavernas na fronteira. “Embora seja duvidoso chamar de democrático o regime anterior, já que Aung San Suu Kyi nunca deixou de ser tutelada pelos militares e patrocinou uma limpeza étnica, os horrores recentes confirmam o que sempre foi a vocação dos militares birmaneses: atirar para matar.” 

Marília informa que os Estados Unidos retiraram sua equipe diplomática, sinal de que a situação deve se deteriorar. A China, única voz cujas sanções teriam peso, mantém-se impassível. O mundo está muito ocupado com a catástrofe da pandemia e o morticínio na Birmânia fica em segundo plano. “O secretário de Estado norte-americano classificou a situação como ‘repreensível’. Repreensível? A TV estatal, controlada pelos militares, repete diariamente o seguinte aviso: ‘Não saia de casa, pois pode levar um tiro na cabeça ou pelas costas’. Nada muda sob o sol, já se dizia”, finaliza.


Conflito e Diálogo
A coluna Conflito e Diálogo, com a professora Marília Fiorillo, vai ao ar toda sexta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.