Terroristas e Estados totalitários são uma ameaça aos direitos humanos

A professora Marilia Fiorillo os chama de ressentidos e diz que tanto uns quanto outros atentam contra os valores civilizatórios

A professora Marilia Fiorillo retoma o tema de sua coluna da semana passada ao falar sobre os recentes protestos no Irã, que se somam aos que já ocorrem no Iraque, no Líbano e no Iêmen. De acordo com ela, todas essas manifestações “têm em comum a mesma exasperação: fome, desemprego e desespero”. Seria um insulto chamar esses manifestantes de ressentidos, pois são gente comum e apartidária, que apenas desejam estabilidade econômica e política. O ressentido, diz a colunista, é o oposto polar daqueles que protestam.

“A meta do ressentido é destruir todo e qualquer valor civilizatório.” Marilia exemplifica com a ação de grupos terroristas, como o Daesh, que perpetrou ataques terroristas em Londres. “Mas é também o sujeito que bota fogo em índio ou mendigo, espanca e mata gente vulnerável, propaga um ódio puro e sem disfarce. Um rancor contra tudo e todos. O ressentido é uma ameaça aos direitos humanos praticamente equivalente à dos Estados autoritários ou totalitários.”

Acompanhe, pelo link acima, a íntegra da coluna Conflito e Diálogo.


Conflito e Diálogo
A coluna Conflito e Diálogo, com a professora Marília Fiorillo, vai ao ar toda sexta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.