Racismo institucional é prática que merece punição

Projeto contra esse tipo de ação quer aperfeiçoar lei federal de servidores públicos para permitir sua demissão

O racismo institucional pode ser realizado individualmente, por grupos, partidos ou pessoas em nome de instituições. Na coluna desta semana, a professora Eunice Prudente relembra o caso Aline Pimentel, ocorrido no serviço público do Rio de Janeiro, ocasião em que a Corte Interamericana de Direitos Humanos usou, pela primeira vez, a expressão racismo institucional se referindo ao Brasil.

Aline, uma jovem de 28 anos, da baixada fluminense, morreu em novembro de 2002, no sexto mês de gravidez, cinco dias após dar entrada em um hospital público com sinais de gravidez de alto risco e não receber atendimento prioritário. A família, após o falecimento da jovem, recorreu à justiça brasileira contra o descaso no atendimento. Por não obter retorno, recorreu a organismos internacionais, de onde obteve uma resposta. O Brasil foi condenado pela ONU por violar direitos humanos de grávidas.

A professora Eunice Prudente diz que “é preciso estancar o racismo institucional. Pessoas que estão atuando em serviços de saúde, de educação, de segurança pública praticando discriminação racial”.


Educação e Direitos
A coluna Educação e Direitos, com a professora Eunice Prudente, vai ao ar toda sexta-feira às 8h30, na Rádio  USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e  TV USP. 

.

 

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.