Colunista comenta como o ativismo cultural fez frente ao conservadorismo de Donald Trump

Giselle Beiguelman comenta que movimentos decoloniais e a explosão dos memes mostraram a força crítica e inovadora das artes

 

 

A eleição presidencial nos Estados Unidos torna-se um marco na história mundial. A colunista Giselle Beiguelman faz, no entanto, uma análise comentando e refletindo sobre as eleições além dos seus resultados.

“À primeira vista, até se poderia pensar que o “trumpismo” gerou uma onda de mea-culpa, em que as instituições começaram a tentar parecer mais igualitárias, a fim de reparar danos históricos. Contudo, o que aconteceu foi o contrário”, afirma. “Paradoxalmente, penso que este foi o momento de uma reviravolta institucional que ganhou o mundo, levando adiante pautas que os movimentos sociais vêm pressionando pelo menos desde os anos 1980, expandindo as reivindicações dos anos 1960 para contextos mais amplos como as lutas pela igualdade de gênero, entre outras.”

Na avaliação da colunista, o que se consolida mais recentemente, ao longo dos anos 2000, é o viés da politização da cultura. “Esse é um âmbito em que as disputas narrativas contra o colonialismo institucional são o eixo mais importante. Essas linhas de ação são tributárias também de governos democráticos que abriram espaço para o reconhecimento dessa multiplicidade de vozes.”

A professora explica que o governo Trump é marcado pela tomada do poder por grupos antagônicos a essas transformações que operam na mão contrária de uma série de conquistas, acirrando as disputas narrativas que já redesenharam o mapa das políticas culturais forçando as instituições a repensarem seu projetos, acervos, curadorias etc. “Os principais legados desse período nas artes e na cultura são as iniciativas que mostraram a capacidade da arte e cultura de fazer frente ao conservadorismo de forma inovadora e crítica. Nesse contexto, chamo a atenção para movimento Decolonize This Place, por um lado, e a explosão dos memes, que transformaram a internet em uma deliciosa e perversa Memeflix planetária.”


Ouvir Imagens 
A coluna Ouvir Imagens, com a professora Gisele Beiguelman, vai ao ar toda segunda-feira às 8h00, na Rádio  USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e  TV USP.

.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.