Campanhas de desinformação marcam eleições dos EUA e do Brasil

Carlos Eduardo Lins da Silva explica as estratégias utilizadas para propagar desinformação em época de eleições

 09/11/2020 - Publicado há 1 ano

Nos últimos anos, há uma ascensão de campanhas de desinformação em períodos eleitorais, que podem ser vistas nas eleições presidenciais dos EUA e municipais do Brasil deste ano. Para o professor Carlos Eduardo Lins da Silva, até a eleição norte-americana de 2016 a ênfase da cobertura de imprensa se dava para as fake news propagadas no Twitter, Facebook e YouTube. Em 2020 surgiram novas estratégias.

O colunista comenta que, na eleição recente dos EUA, foram feitos telefonemas de robôs que diziam, principalmente para classes menos instruídas, que, se a fila da votação estivesse grande, eles poderiam votar no dia seguinte à eleição. Lins da Silva diz que esse tipo de desinformação é mais eficaz que nas redes sociais.

Para ele, é difícil combater esse tipo de ação, pois é efetuada por meio de computadores e tecnologia avançada. A imprensa tem dado resultado nas checagens das informações verdadeiras, como nos casos em que Twitter e Facebook carimbaram mensagens de políticos dos EUA como “potencialmente não verdadeira”, impedindo até que fossem retweetadas sem comentários anexados do Twitter. Lins da Silva acredita no poder da pressão da imprensa. “No entanto, isso só vai ser resolvido quando a cidadania em geral estiver realmente consciente de que a desinformação é um problema e que cada cidadão tem que estar atento a ela.”

Saiba mais ouvindo a coluna Horizontes do Jornalismo na íntegra.


Horizontes do Jornalismo
A coluna Horizontes do Jornalismo, com o professor Carlos Eduardo Lins da Silva, vai ao ar toda segunda-feira às 9h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção  do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.