Vacinação contra HPV é segura, afirma Alexandre Faisal

O especialista afirma que é preciso dar mais atenção ao psiquismo da mulher e menos aos efeitos colaterais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Um dos grandes avanços na prevenção do câncer de colo do útero foi a vacinação contra o HPV; no entanto há relatos de efeitos adversos que vêm prejudicando a aceitação da vacina. O médico ginecologista da Faculdade de Medicina da USP, Alexandre Faisal, comenta esse tema no Saúde Feminina de hoje.

Faisal afirma que a estratégia preventiva da vacinação já foi implantada em mais de 50 países, e a maioria dos estudos aponta para a eficácia da vacinação, uma vez que o câncer de colo do útero é o mais comum entre as mulheres, com 570 mil casos novos e 270 mil mortes por ano, considerando as mulheres do mundo todo.

Dados apresentados por Faisal mostram que os pesquisadores tentaram entender a maior ocorrência de efeitos adversos da vacinação de HPV em mulheres que tinham antecedentes psiquiátricos e psicológicos e chamaram a atenção para  três possibilidades: “Os efeitos adversos teriam ocorrido independente da vacinação; a segunda causa seria que eventualmente pessoas com condições psiquiátricas podem ter uma maior sensibilidade para a vacina; e a terceira: as mulheres com alterações psiquiátricas reagem diferentemente à vacinação em termos da percepção dos sintomas físicos corporais”.

O médico ginecologista dá um recado: “A vacinação é bastante segura e é preciso dar mais atenção ao psiquismo da mulher e menos aos efeitos colaterais em alguns cenários”, observa.

Ouça, no link acima, a íntegra da coluna Saúde Feminina.

 

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •