Retorno das aulas presenciais em São Paulo divide opiniões

Autoridades e sociedade discutem prós e contras da volta às aulas no Estado e a professora Bianca Corrêa teme piora nos índices da pandemia com o retorno

 12/02/2021 - Publicado há 8 meses
Por
Algumas regiões do Estado decidiram retomar as atividades presenciais nas salas de aula, enquanto outras preferiram adiar a volta para o mês de março –  Foto: August de Richelieu/Pexels CC

Voltar ou não voltar? Eis a questão. A dúvida é compartilhada por milhares de alunos e seus familiares desde o início das aulas presenciais no Estado de São Paulo, no dia 8 de fevereiro. Enquanto algumas regiões retomaram as atividades presenciais, outras preferiram adiar a volta para o mês de março. 

As medidas de segurança, no entanto, parecem ser consenso entre todos e devem ser cumpridas para esse retorno presencial. As unidades escolares estão seguindo protocolos que exigem, no máximo, ocupação de 35% das salas de aula, com divisão de alunos em grupos. O distanciamento social, o uso de álcool em gel e máscaras faciais também são indispensáveis. 

As autoridades da educação e sanitárias trabalham com a ideia de que, ao longo do tempo, a capacidade de alunos aumente gradativamente, até que se tenha a presença de todos os estudantes em sala de aula. 

Volta às aulas é prejudicial ou não? 

Para Benjamin Ribeiro da Silva, presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (SIEEESP), o que aconteceu no Brasil “é uma aberração”, por conta do tempo em que os alunos ficaram sem ter aulas presenciais. 

“O sindicato sempre foi a favor do retorno das aulas”, destaca Ribeiro, prevendo que “vai ser bastante difícil recuperar o que foi perdido por esses alunos”, mesmo com as aulas remotas. De qualquer forma, Ribeiro garante que “as escolas estão prontas” para a tarefa de recomeçar.

Já para a professora Bianca Corrêa, especialista em Educação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, “a situação vai muito além de ser contra ou favor” e envolve pensar nas condições necessárias para que o retorno aconteça de forma segura para alunos e funcionários. “Neste momento, em que morrem mil pessoas por dia no Brasil, nenhum protocolo, além do isolamento, é viável.” 

Embora a pandemia esteja instalada desde março do ano passado, argumenta Bianca, as escolas não foram adaptadas, o que pode fazer com que o retorno das atividades presenciais aumente a contaminação pelo vírus da covid-19. A professora acredita que o retorno às aulas presenciais “não vai ser uma solução, mas pode representar uma piora nos índices da pandemia”. 

Aulas híbridas 

Como nem todos se sentem seguros e confortáveis em voltar às atividades normais, as escolas terão que adotar um modelo híbrido de ensino, mesclando aulas presenciais e a distância. Dessa forma, a aula que está sendo dada em sala também pode ser acompanhada pelo aluno que está em casa. É o que defende Ribeiro.

“Seria muito importante que as aulas fossem todas presenciais”, afirma o presidente do SIEEESP. Mas não é uma realidade possível neste momento, já que não podemos “fazer muita aglomeração”. Contudo, Ribeiro entende que o retorno é ainda mais importante para crianças que não têm acesso à tecnologia para interação e para assistir às aulas. 

Por outro lado, a professora Bianca se preocupa com o que chama de “outros interesses” por trás desse novo formato de aula. “Esse modelo tem significado, entre outros prejuízos, a demissão em massa de professores, que estão sendo substituídos por robôs”, destaca. 

Bianca garante que é preciso problematizar esse tipo de ensino e não naturalizá-lo. Segundo a professora, formalizar essa situação pode trazer prejuízos no futuro, quando a pandemia chegar ao fim. 

Escolas preparadas? 

A região de Ribeirão Preto-SP foi uma das que optaram por retornar às aulas presenciais somente em março. Para o diretor regional da SIEEESP, João Alberto de Andrade Velloso, as escolas da região têm total condições de voltar às atividades presenciais neste momento, o que seria “o melhor para os alunos”. 

Velloso diz que o problema maior é o das crianças que ficaram distantes da escola. “Esse trauma, sim, vai afetar o resto da vida de cada um desses alunos que perderam este ano de estudos.” 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.