Grossmann analisa ideia de “retorno à ordem” na arte e na política

Faltam na política as referências que há na arte para justificar mudanças nas estruturas culturais

Na arte, o movimento conhecido como “retorno à ordem” está relacionado com artistas do período entre-guerras na Europa, como Picasso e Matisse, que se propõem a repensar a arte, usando referências clássicas. De certa forma, é uma reação aos excessos dos movimentos de vanguarda. No Brasil, artistas ligados a esse movimento são Portinari, Di Cavalcanti, Bonadei e Volpi, entre outros.

Já na política nacional e internacional, em que se ouve falar de um “retorno à ordem”, faltam referências culturais e históricas que justifiquem uma mudança nas estruturas culturais.

A análise foi feita pelo professor Martin Grossmann em sua coluna Na Cultura, o Centro Está em Toda Parte, transmitida no dia 13 de março pela Rádio USP.

Ouça no link acima a íntegra da coluna.

 

 

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.