Dossiê americano coloca Brasil em situação preocupante em relação à preservação ambiental

De acordo com Pedro Luiz Côrtes, “o Brasil não fez nada no sentido de coibir, no investimento de fiscalização, no combate à grilagem, e nós temos um problema muito grave na mão que é a situação atual do Pantanal”

O Jornal da USP no Ar 1ª Edição recebeu hoje (19), mais uma vez, Pedro Luiz Côrtes, professor associado da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP e professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE), que comenta sobre o dossiê recebido pelo presidente Joe Biden, em que membros do alto escalão do novo governo indicaram o congelamento de acordos e alianças políticas com o Brasil, rechaçando o governo Jair Bolsonaro, principalmente nas questões relacionadas ao meio ambiente.

A partir desse dossiê, qual será o posicionamento do governo Biden? “Pode ser verificado um forte engajamento do alto escalão do governo Biden com os compromissos ambientais firmados durante a campanha. Aquilo que o Biden manifestou sobre a preservação da Amazônia, sobre as questões ambientais, sobre mudanças climáticas, não era uma figura retórica ou estratégia de campanha e a importância desse dossiê é que ele foi levado ao governo pelo diretor sênior do Conselho de Segurança Nacional”, comenta Côrtes.

O professor explica que a recomendação é restringir a importação de madeira, carnes e soja do Brasil, a menos que se confirme que as importações não estejam vinculadas ao desmatamento ou ao abuso dos direitos humanos. “Isso cria um problema muito grande para o agronegócio organizado, porque, na Amazônia, essa produção, desmatamento, grilagem, essas queimadas, elas mancham todo o agronegócio organizado, então vai criar um problema burocrático, porque os exportadores vão ter que comprovar que a carne, a soja, não vem de área desmatada”, detalha Côrtes.

A chance de mudar esse relacionamento conturbado deve partir do governo, mas, de acordo com o professor, o Brasil não fez nada até o momento para que isso ocorra. “O Brasil não fez absolutamente nada no sentido de coibir, no investimento de fiscalização, no combate à grilagem, e nós temos um problema muito grave na mão que é a situação atual do Pantanal. O Pantanal está muito seco, embora ainda não seja época de chuva, e isso pode colocar as queimadas fora de controle, sejam queimadas naturais, sejam queimadas provocadas pelo homem”, conclui.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.