“A USP foi um locus de resistência e de luta contra os desmandos”

Vahan Agopyan é reitor da USP

Por - Editorias: Artigos - URL Curta: jornal.usp.br/?p=200116
  • 16
  •  
  •  
  •  
  •  

.

Leia a íntegra da apresentação do livro O Controle Ideológico na USP (1964-1978) -que será relançado em breve. O livro trata das violações sofridas por professores da Universidade durante a ditadura militar. 

. 

Vahan Agopyan – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

O CONTROLE IDEOLÓGICO NA USP (1964-1978)

APRESENTAÇÃO

Rememorar fatos históricos que marcaram negativamente o desenvolvimento do País ou da nossa sociedade é muito importante tanto sob o ponto de vista científico, para melhor compreendermos os motivos que provocaram os acontecimentos, como para alertar as novas gerações para que esses fatos não se repitam. Tentar encobrir um evento histórico, por mais doloroso que seja a sua lembrança, é um crime contra a humanidade, pois ele pode se repetir por não ter sido devidamente criticado e as suas origens, combatidas.

Neste ano estamos completando os 50 anos dos episódios de 1968, considerado por muitos como o ano que não acabou. Se na Europa significou uma revisão da sociedade, com mudanças radicais de comportamento e avanço nos direitos civis, no nosso País tivemos a busca da democracia violentamente reprimida, particularmente para a comunidade da USP, resultando na invasão e destruição da sede da então Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, na Rua Maria Antonia, hoje já recuperado e transformado num equipamento cultural denominado Centro Universitário Maria Antonia da USP. Naquele mesmo ano, em dezembro foi promulgado o Ato Institucional no 5, aprofundando o regime de exceção no País. Se o AI-5 foi subscrito pelo reitor licenciado da USP, uma das suas primeiras vítimas foi a própria Universidade, com vários de seus docentes “aposentados”, incluindo o seu reitor em exercício, o professor Hélio Lourenço de Almeida, em abril do ano seguinte.

Edição de 2004 do livro O Controle Ideológico na USP (1964-1978), publicado originalmente em 1978 pela Associação dos Docentes da USP (Adusp), com o título O Livro Negro da USP – O Controle Ideológico na Universidade – Foto: Reprodução

No décimo aniversário dos acontecimentos de 68, a Associação dos Docentes da USP (Adusp), constituída em 1976, ainda na gestão do seu primeiro presidente, professor Modesto Carvalhosa, teve a coragem de compilar os dados disponíveis para relatar as agressões que a Universidade e os seus docentes sofreram durante os anos da ditadura, que ainda estava vigente, resultando na presente publicação. Foi um levantamento muito minucioso, levando em conta todas as dificuldades e adversidades do momento. Foi um trabalho coletivo, mas tenho que parabenizar a cuidadosa relatoria da professora Eunice Ribeiro Durham. Em 2004, nos 40 anos do golpe de 1964, a Adusp reeditou esta publicação, adotando o atual título e acrescentando os dois anexos.

No cinquentenário de 1968, a Universidade de São Paulo, através dos seus órgãos centrais e de várias unidades, preparou uma série de eventos para rememorar os fatos ocorridos naquele ano. Com isso, pretende-se aprimorar os registros daquela época e, principalmente, divulgar às novas gerações, notadamente para o nosso corpo discente, um relato crítico dos acontecimentos, procurando discuti-los e analisá-los com a tranquilidade que o tempo decorrido permite. Para esses eventos, uma nova edição deste texto era imprescindível, por isso agradeço à Adusp e ao seu atual presidente, o professor Rodrigo Ricupero, por permitir que a Editora da USP (Edusp) preparasse esta edição.

Para os leitores, recomendo atentar para a carta do professor Florestan Fernandes, no capitulo intitulado “O primeiro período”, que relata bem os momentos complicados vividos naquele período, com a incredulidade das pessoas com a situação absurda que estavam vivendo, permitindo que incompetentes, invejosos, corruptos e desajustados pudessem aproveitar o momento e se livrar dos seus desafetos. O título do capítulo final, “Arbítrio, corrupção e decadência”, resume bem o momento vivido.

A Universidade de São Paulo foi um locus de resistência e de luta contra os desmandos, foi vítima da situação, mostrou-se unida e forte para superar a grave crise que se instaurou com a “aposentadoria” do seu reitor em exercício. No entanto, além do seu reitor licenciado que assinou o AI-5, membros da comunidade se aproveitaram da situação, procurando obter benefícios pessoais indevidos, em detrimento da instituição, alguns com interesses espúrios e não republicanos, outros por covardia e medo, uns por puro apego ao poder, não tendo a honradez de renunciar aos cargos para não servir de algozes dos colegas. Por isso, este texto, mais que uma denúncia, é um alerta, para que a comunidade esteja sempre atenta, lembrando que podemos ter também ataques internos à nossa autonomia universitária.

Para quem se interessar pelo tema, este ano, a Comissão da Verdade da USP, presidida pela professora Janice Theodoro da Silva, concluiu o exaustivo trabalho de compilação de todos os fatos ocorridos no período, inclusive confirmando o que foi levantado neste texto. O trabalho resultou num documento rico e intenso de dez volumes, disponível na página da USP, mais precisamente no site da Comissão da Verdade da USP, relatório final. Com esse farto material disponível, os estudos sobre o período serão bem mais aprofundados.

Estamos vivendo um novo momento complexo da nossa história, com a sociedade muito dividida, num ambiente que está se tornando cada vez mais violento, com uma boa parte da população assumindo um posicionamento político mais radical, com isolamento do tipo “nós contra eles”. Estamos criando um ambiente ideal para que líderes radicais e populistas se destaquem. Espero que a leitura deste livro alerte que esses extremismos já demonstraram a sua nocividade e espero que as futuras gerações não sofram as agruras que a minha sofreu.

São Paulo, 17 de setembro de 2018

Vahan Agopyan, reitor da USP


Leia reportagem especial do Jornal da USP sobre a Comissão da Verdade da USP.


.


.

.

Leia mais.

13/dezembro/2018

Como a Escola de Comunicações e Artes da USP resistiu à ditadura

12/dezembro/2018

O Ato Institucional nº 5 e seu significado histórico

12/dezembro/2018

Um ato – e a democracia brasileira entrou em sua noite mais longa

11/dezembro/2018

“As novas gerações precisam saber disso”

7/dezembro/2018

Obladi, oblada life goes on brahhh… Lala how the life goes on

7/dezembro/2018

Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5

30/novembro/2018

Maria Antonia – muito além de uma rua

28/novembro/2018

Daisy, Dais, Dai…

26/novembro/2018

O 68 francês e o cinema

22/novembro/2018

Guilherme Wisnik analisa 1968 sob o ponto de vista da cidade

21/novembro/2018

Contestação presente em 1968 também se manifesta na postura dos cientistas

21/novembro/2018

Há 50 anos, País vivia ao mesmo tempo o milagre brasileiro e o AI-5

21/novembro/2018

1968 e a afirmação dos direitos humanos

21/novembro/2018

Renato Janine fala sobre o que 1968 representou na vida dele

20/novembro/2018

Estudantes de 68 retomaram os temas da liberdade, igualdade e fraternidade

13/novembro/2018

Rascunho de palestra em um Clube de Leitura

12/novembro/2018

O cinema militante de maio de 68

9/novembro/2018

Entre a luta, os livros e os cacos de sonho

9/novembro/2018

Maio ou maios de 68

8/novembro/2018

E a aldeia global assistia TV via satélite…

7/novembro/2018

A nação e a Universidade ameaçadas

6/novembro/2018

Combate ao racismo em 1968: 50 antes e 50 depois

2/novembro/2018

O significado histórico da Primavera de Praga

1/novembro/2018

1968 no mundo, além da lenda

31/outubro/2018

1968, 2018 e além: livros pela democracia

30/outubro/2018

Impasses no teatro brasileiro em 1968

29/outubro/2018

Quebrando o moralismo embolorado

26/outubro/2018

Cinquentenário de 1968 é tema de mostra no Cinema da USP

26/outubro/2018

Woodstock: o maior encontro de uma geração revoltada e festiva

25/outubro/2018

A cena musical brasileira de 1968

24/outubro/2018

A arte pop brasileira – “… que gostava de política em 1968”

23/outubro/2018

67/68: Tropicalismo, participação e transgressão

22/outubro/2018

O maio de 1968 – a luta dos direitos civis nos Estados Unidos

19/outubro/2018

A brecha que se abriu em 1968

18/outubro/2018

Angústias, insegurança e resistência nas salas de aula da USP

16/outubro/2018

O protesto que marca a memória dos Jogos Olímpicos do México

15/outubro/2018

Há 50 anos, a universidade no olho do furacão

11/outubro/2018

1968, nas entrelinhas do silêncio

10/outubro/2018

1968, 69, 70, 71, 72………..83

9/outubro/2018

“Meu tema é o da responsabilidade moral e intelectual da Universidade”

4/outubro/2018

Professores revivem legado da Maria Antonia

3/outubro/2018

Filme denuncia o esquecimento e impunidade do caso Herzog

3/outubro/2018

Ode à democracia marca abertura de “Ecos de 1968 – 50 Anos Depois”

3/outubro/2018

Ecos de 1968 – 50 anos depois

2/outubro/2018

Filmes lembram as marcas da ditadura no Brasil de hoje

1/outubro/2018

Livros e leitura cênica lembram a Batalha da Maria Antonia

1/outubro/2018

“A USP foi um locus de resistência e de luta contra os desmandos”

1/outubro/2018

Batalha da Maria Antonia é relembrada em ciclo de eventos

28/setembro/2018

Com a rua como cenário e os jovens como protagonistas, 1968 faz história

21/setembro/2018

Para refletir sobre os ecos e as lições de 1968

18/julho/2018

“USP Especiais” destaca fatos e músicas que marcaram 1968

29/Maio/2018

Seminário traz à discussão o mítico ano de 1968

20/Abril/2018

A herança que 1968 nos deixou, 50 anos depois


.

  • 16
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados