Vitória de “Parasita” representa uma autocrítica da academia americana de cinema

Segundo Wisnik, o narcismo autocentrado é alguma coisa que o Oscar e a academia sempre representaram e que a atual premiação, de alguma forma, tenta reverter

Na coluna desta semana, Guilherme Wisnik comenta sobre Parasita, escolhido como melhor filme no Oscar 2020. O professor já havia comentado a produção sul-coreana na ocasião do seu lançamento. No entanto, destaca agora a importância de, pela primeira vez, o prêmio ter ido para um filme de língua não inglesa.

Além disso, Wisnik considera a temática da exclusão social como o ponto central do filme, “sobretudo num momento em que cresce a concentração de renda e a exclusão no mundo como um todo, cresce a xenofobia, isto é, a intolerância com o lugar do outro, portanto, cresce o narcisismo autocentrado, que é alguma coisa que o próprio Oscar e a academia em grande medida sempre representaram. Num momento em que isso acontece no mundo, a academia e o Oscar tomam distância e fazem essa crítica, que é também uma autocrítica”, avalia. Parasita conta a história de uma família pobre que vive em um porão e sua relação com uma família milionária que vive em uma luxuosa mansão.

Acompanhe o comentário completo no link acima.


Espaço em Obra
A coluna Espaço em Obra, com o professor Guilherme Wisnik, vai ao ar toda quinta-feira às 9h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.