Visitas virtuais a museus para a hibernação conectada

Colunista comenta ganhos e limites dos recursos para ver exposições na internet

 

“É uma loucura essa nossa hibernação conectada. Até mesmo porque não é uma hibernação de fato, mas um tempo em suspensão, no qual estamos parados em movimento contínuo”, comenta a professora e artista Giselle Beiguelman em seu programa Ouvir Imagens, na Rádio USP (clique e ouça o player acima). “Chegamos, enfim, à era do nomadismo tecnológico e estamos percebendo que ela não é tão interessante assim.”

Na avaliação de Beiguelman, a sociedade está ressuscitando as utopias da internet dos anos 1990, da ideia de “universo paralelo” do mundo on-line e a febre das visitas virtuais a exposições. “Só o Google Art and Culture disponibiliza uma lista de 2.500 museus que podem ser visitados pela internet”, informa. “Alguns aplicam a tecnologia do Google Street View aos museus, de forma que se pode não só visualizar as obras, mas caminhar entre as galerias e conhecer o prédio, como é o caso do Guggenheim de Nova York, cuja projeto arquitetônico, de Frank Lloyd Wright, é uma obra de arte em si.”

Apesar de ser muito fake, com a apresentação dos lugares vazios, permite a leitura das curadorias, das formas como as obras são organizadas e especializadas. “Outra coisa que é interessante de se fazer nesses ambientes é navegar nas obras em si. Os recursos de zoom permitem, por exemplo, ver detalhes das pinturas que, a olho nu e, em uma visita presencial, até por normas de segurança dos museus, é impossível de se ter. Você consegue ampliações de detalhes de obras como A Noite Estrelada, de Van Gogh, que chega até o limite de perceber a pincelada do artista.”

Outra saída muito boa indicada pela colunista, para curar o jejum das artes desse tempo de confinamento, é aproveitar para conhecer os poucos acervos de net art disponíveis em museus. “Afinal, são obras especialmente criadas para o ambiente on-line. Destaco, para encerrar, o site Netescopio, uma plataforma do genial curador argentino Gustavo Romano, que não só conseguiu a proeza de criar uma coleção de net art em um grande museu, o Meiac espanhol, como reuniu o melhor da arte on-line dos anos 1990, incluindo alguns trabalhos do início dos 2000. Os sites estão disponíveis individualmente, no menu obras, mas é possível também navegar por artistas e, o mais legal, pelas diversas curadorias que o Gustavo criou ao longo do projeto. São horas de entretenimento e reflexão garantidas.”

Veja: https://artsandculture.google.com/partner,   http://netescopio.meiac.es/


Ouvir Imagens 
A coluna Ouvir Imagens, com a professora Gisele Beiguelman, vai ao ar toda segunda-feira às 8h00, na Rádio  USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e  TV USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.