Herpes genital causa bolhas e feridas

A infecção sexualmente transmissível não tem cura, mas o tratamento ajuda a evitar a recorrência das crises

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O vírus HSV é responsável pelo herpes facial, mas, caso seja do tipo 2, acomete principalmente a região genital. Nesta semana, o primeiro boletim do Pílula Farmacêutica fala sobre o herpes genital, uma infecção sexualmente transmissível que provoca lesões na pele e nas mucosas dos órgãos genitais masculinos e femininos.

A transmissão ocorre por meio de relação sexual oral, vaginal e anal sem preservativo, ou durante o parto, se a gestante estiver infectada. O período de incubação pode variar de 10 a 15 dias após o contato com o portador do vírus e pode ser transmitido mesmo que as lesões cutâneas estejam ausentes ou cicatrizadas.   

Em geral, os sintomas são pequenas bolhas agrupadas que se rompem e se transformam em feridas. Depois do primeiro contato com o vírus, os sintomas podem reaparecer, dependendo de fatores como: estresse, cansaço, esforço exagerado, febre, exposição ao sol, uso prolongado de antibióticos e menstruação.

O herpes genital não tem cura, mas o tratamento antiviral alivia dor e desconforto causados durante uma crise e ajuda a evitar a recorrência da infecção, além de impedir que cause complicações mais graves e que se espalhe pelo corpo.

Ouça acima, na íntegra, o boletim Pílula Farmacêutica.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados