Teste para detecção de clamídia é essencial para grávidas

Jovens na faixa dos 25 anos ou pessoas que têm uma vida sexual ativa também devem realizar os testes

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O primeiro boletim do Pílula Farmacêutica desta semana fala sobre clamídia, uma infecção sexualmente transmissível, que pode ser transmitida via contato sexual anal, oral ou vaginal e que também pode ser passada de mãe para filho, durante a gravidez.

Os estágios iniciais da infecção não costumam manifestar sintomas, mas quando ocorrem, geralmente, aparecem de uma a três semanas após a exposição à bactéria causadora da doença. Os principais sinais e sintomas da infecção por clamídia são corrimento vaginal e peniano, dor nos testículos e no reto, dor abdominal, ardência ao urinar e relação sexual dolorosa para as mulheres.

O exame para detecção de clamídia é recomendado para mulheres grávidas, jovens de até 25 anos e para indivíduos que têm tido vários parceiros sexuais ao longo dos últimos meses, em especial com aqueles que não costumam utilizar o preservativo.

Por ser causada por uma bactéria, o tratamento de clamídia é feito à base de antibióticos. Em caso de dúvidas ou com a apresentação de alguns dos sintomas, procure o posto de saúde mais próximo.

O boletim Pílula Farmacêutica é apresentado pelos alunos de graduação da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP, com supervisão da professora Regina Célia Garcia de Andrade e trabalhos técnicos de Luiz Antonio Fontana.

Ouça acima, na íntegra, o boletim Pílula Farmacêutica.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados