Museu Paulista inaugura exposição sobre design de impressos efêmeros

Mostra apresenta 500 peças gráficas que revelam hábitos e costumes dos brasileiros entre os séculos 19 e 20

A partir desta quinta-feira, dia 10 de maio, até o dia 26 de agosto, o Museu Paulista (MP), em parceria com o Sesc, promovem a exposição Papéis Efêmeros: Memórias Gráficas do Cotidiano, com um acervo inusitado e inédito que explora o design de impressos cujo destino mais comum é o descarte imediato após o uso. A mostra está em cartaz no Sesc Ipiranga, em São Paulo.

Com curadoria da diretora do museu, Solange Ferraz de Lima, e do professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP e designer, Chico Homem de Melo, a exposição apresenta 500 peças gráficas que revelam hábitos e costumes dos brasileiros entre os séculos 19 e 20. “O que elas têm em comum é o fato de o design muitas vezes não ser assinado, o uso de técnicas que já desapareceram, como a litografia e a tipografia, e de essas peças lidarem com vários sentidos efêmeros, permitindo uma reflexão sobre o tempo”, explica Solange.

Grande parte do acervo pertence à Coleção Egydio Colombo (1955-2013), doada para o museu em 2003. O arquiteto e professor de História da Arte preservou, durante duas décadas, os mais variados rótulos e embalagens. Para a exposição, foram selecionados papéis de balas, como Dulcora e Juquinha; santinhos católicos; filipetas de oráculos; rótulos de aguardentes, como Cascata; de fogos de artifício, como Caramuru; e de fósforos, como Gato Preto, entre outros.

“Conforme reuníamos o material, que foi complementado por coleções particulares, fomos expandindo o sentido de efêmero. Além dos itens de descarte rápido, estamos trazendo mídias que desapareceram, como as partituras com capas ilustradas utilizadas nos saraus entre as décadas de 1910 e 1930, assim como catálogos de moda do Mappin e cadernos de caligrafia”, explica Homem de Melo.

No galpão sobre Cultura, a exposição apresenta mídias que desapareceram ao longo do tempo, como os discos de dez polegadas (no destaque) – Foto: Adriana Cruz / Assessoria de Imprensa da USP

Todos os itens foram agrupados em três eixos temáticos principais, Consumo, Educação e Cultura, e dois transversais, Técnicas de Impressão e Design. Além dos materiais presentes no cotidiano, a exposição traz peças icônicas, como cartazes de Andy Warhol, revistas de design nacionais e internacionais e capas clássicas de livros e discos.

Segundo os curadores, a mostra captura momentos importantes da história do design, como, por exemplo, o aumento da presença da fotografia no século 20, substituindo as ilustrações, e, na educação, a valorização da imagem atrelada ao aprendizado, como no caso da cartilha Caminho Suave, que propunha a alfabetização por meio de figuras.

Difusão da cultura

A cerimônia de abertura da exposição foi realizada no dia 9 de maio e contou com a presença de dirigentes da Universidade e do Sesc, convidados e do público em geral.

A gerente de Artes Visuais e Tecnologia do Sesc, Juliana Braga de Matos, destacou a parceria firmada entre a USP e a instituição, formalizada por meio de um termo de cooperação assinado no final de julho de 2016.

“Temos muitos pontos de convergência. De efêmero só temos o título da exposição, pois esta é uma parceria que deve se alongar e que traz, sem dúvida, para nós, do Sesc, e para os públicos que nos frequentam um pouco do valor que um museu histórico tem para a sociedade”, afirmou Juliana.

A primeira exposição realizada como resultado dessa colaboração teve como tema Adornos do Brasil Indígena: resistências contemporâneas e ficou em cartaz no Sesc Pinheiros, em setembro de 2016. A mostra apresentou conteúdos do acervo de adornos indígenas do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP.

O reitor da USP, Vahan Agopyan, ressaltou o papel do Sesc na difusão da cultura para a sociedade. Também reiterou que o Museu Paulista, apesar de ter sua sede fechada para a visitação pública, “continua dinâmico e ativo em suas atividades de ensino, pesquisa e extensão”.

Os curadores Chico Homem de Melo e Solange Ferraz de Lima na cerimônia de inauguração da exposição – Foto:  Museu Paulista da USP/José Rosael

Serviço

A exposição estará em cartaz até o dia 26 de agosto, de terça a sexta, das 9h às 21h30; aos sábados, das 10h às 21h30; e aos domingos e feriados, das 10h às 18h30.

O Sesc Ipiranga está localizado na Rua Bom Pastor, 822, em São Paulo. A entrada é gratuita.

Assista, a seguir, ao vídeo sobre a exposição produzido pelo Sesc.

Textos relacionados