Tuberculose: criança sem cicatriz vacinal não precisa ser revacinada

O novo protocolo do Ministério da Saúde segue critérios da OMS

  • 171
  •  
  •  
  •  
  •  

O Brasil ocupa o vigésimo lugar  no mundo em casos de tuberculose e, apesar  de se manter estável, o alerta vale para as regiões Norte, Nordeste e Sudeste, onde houve aumento no número de casos da doença nos últimos anos.  A médica infectologista  Ana Marly Sartori, responsável   pelo  Centro de Imunização do Hospital das Clínicas  das FMUSP (Faculdade de Medicina da USP), fala em entrevista à Rádio USP sobre o novo protocolo, que prevê ser desnecessário que a criança seja revacinada caso não apresente a cicatriz no braço. De acordo com ela, a imunização contra a tuberculose é feita nos primeiros dias de vida, ainda dentro da maternidade, com a aplicação da BCG.

Ouça a íntegra da matéria pelo link acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 171
  •  
  •  
  •  
  •