Técnica de superaquecimento pode ser usada contra o câncer

Nanopartículas de magnetita são introduzidas no organismo para danificar ou matar células tumorais

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

O superaquecimento, que leva à morte de células, é conhecido desde o século 19. Mas, em relação ao tratamento do câncer, essa técnica só foi proposta a partir dos anos 1960. A partir do mecanismo de superaquecimento e do magnetismo foi desenvolvida a técnica da hipertermia magnética. Na Alemanha, essa técnica já é utilizada como tratamento contra o câncer.

Na USP, uma parceria entre o Instituto de Química de São Carlos, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas e o Instituto de Física testa essa técnica de superaquecimento de células tumorais através do uso de nanopartículas de magnetita. O professor do Departamento de Física de Materiais e Mecânica do Instituto de Física, Valmir Antonio Chitta, conversa com o Jornal da USP sobre essa pesquisa.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados