Plano estratégico visa a auxiliar políticas públicas sobre lixo marinho

De acordo com Alexander Turra, o “Plano Estratégico de Monitoramento e Avaliação do Lixo no Mar do Estado de São Paulo” busca fazer com que as informações possam auxiliar na avaliação de políticas públicas

 26/02/2021 - Publicado há 7 meses

 

Deve ser lançado em junho um plano nacional para o combate ao lixo marinho na década – Foto: Freepik

 

O Estado de São Paulo foi pioneiro ao lançar o Plano Estratégico de Monitoramento e Avaliação do Lixo no Mar do Estado de São Paulo (PEMALM), primeiro documento desse tipo no Brasil. A pesquisa faz parte de uma iniciativa da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente junto com a USP, por meio do Instituto Oceanográfico (IO), da Cátedra Unesco para a Sustentabilidade do Oceano e do Instituto de Estudos Avançados (IEA-USP).

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, Alexander Turra, professor do Instituto Oceanográfico e coordenador da cátedra, comenta que o estudo faz parte da tentativa de padronização das análises de lixo no oceano. “É um processo de governança, de inclusão dos atores sociais dos mais variados setores, para que a gente consiga construir um entendimento muito claro e colaborativo de indicadores de geração de lixo”, afirma.

O objetivo é fazer com que as informações levantadas pelo plano sejam claras, de modo que possam auxiliar os tomadores de decisão na tomada e avaliação de políticas públicas.

De acordo com Turra, é preciso considerar a origem do lixo e o trajeto que ele percorreu até o mar. Existem duas origens principais: as atividades realizadas no continente e as realizadas no próprio mar, como os dejetos de navios. “O elemento que dá conexão a esses dois ambientes são os rios”, afirma o professor. “Temos peculiaridades em cada local que precisam ser conhecidas, porque as generalizações fazem com que a gente perca a oportunidade de atacar esse problema de forma cirúrgica”, completa.

Há ainda a perspectiva de que seja lançado, em junho, um plano nacional para o combate ao lixo marinho na década, em conformidade com a agenda mundial sobre o tema. “Além de ser um problema importante e relevante para o Brasil, a gente está em sintonia e apoiando reflexões mundiais sobre essa temática, porque o lixo no mar é um exemplo muito claro de problema global”, afirma Turra.

A parceria de instituições da USP com órgãos do governo traz uma visão integrada e interdisciplinar dos temas importantes para a sociedade na busca por produzir informações para construir um diálogo com os tomadores de decisão. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.