Planejamento familiar melhora índice de qualidade de vida

Direito à saúde reprodutiva e sexual é essencial para a saúde pública e não promove ideias abortivas, diz especialista

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Pixabay-CC

.

No dia 26 de março de 2019, o governo brasileiro se posicionou contra menções ao direito ao acesso universal a serviços de saúde reprodutiva e sexual, que estão presentes em um documento elaborado por uma conferência da Organização das Nações Unidas.

O argumento utilizado pelo governo foi de que as expressões podem dar margem à “promoção do aborto”. Em outro trecho do documento brasileiro, afirma-se que é preciso evitar qualquer “interferência do Estado que tenha o objetivo de dissolver ou enfraquecer a estrutura da família tradicional”.

Isabel Cristina Esposito Sorpreso, professora da disciplina de Ginecologia do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP, comenta o assunto, que envolve planejamento reprodutivo e familiar, algo “fundamental para a melhoria da saúde pública e desenvolvimento humano”. 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados