“O Brasil tem triste destaque quando se trata de ataques a jornalistas”

Segundo Eugênio Bucci, a violência contra profissionais da imprensa é um dos pontos que mostram como a democracia no Brasil corre riscos

 19/04/2021 - Publicado há 8 meses
Por
A liberdade de imprensa é um dos pilares daquilo que se conhece hoje como sistema democrático – Foto: Divulgação

Em abril é comemorado o Dia do Jornalista. Para marcar a data, organizações da sociedade civil protocolaram uma carta pública ao Congresso, em defesa da liberdade de expressão no Brasil. O documento classifica o cenário do País como preocupante, citando desde dificuldades de acesso a dados públicos a ameaças, agressões físicas e assédio. 

A carta foi assinada por oito instituições: Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), Artigo 19, Conectas Direitos Humanos, Intervozes, Instituto Vladimir Herzog, Comitê para Proteção de Jornalistas, Repórteres sem Fronteiras e Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj). ORelatório da Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil”, levantamento da Fenaj citado no documento, mostra que 2020 foi o ano mais violento para a imprensa, desde o começo da série histórica, iniciada na década de 1990.

Democracia e liberdade de imprensa

A liberdade de imprensa, reivindicada por essas instituições, é um dos pilares daquilo que se conhece hoje como sistema democrático, como explica o professor Eugênio Bucci, do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes da USP. 

Bucci relembra o assassinato do jornalista Léo Veras, morto em 2020, na cidade Pedro Juan Caballero, fronteira do Paraguai com o Brasil. “Isso não é uma questão de opinião, essas coisas têm sido medidas com base em fatos e, efetivamente, o Brasil tem um destaque triste quando o assunto é ataques contra jornalistas, contra veículos jornalísticos e contra a liberdade de imprensa.”

Bucci pontua como o tema é delicado, porque os ataques, muitas vezes, acabam sendo bem-sucedidos quando conseguem intimidar e interromper a atividade dos profissionais de imprensa. “Esse é mais um dos pontos que nos autorizam a dizer que a democracia no Brasil corre riscos. Há muitos outros aspectos que nos autorizam a dizer a mesma coisa”, destaca.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.