Melhoramento genético pode evitar doenças bovinas

Especialista fala sobre caso atípico de doença da vaca louca no Brasil e prevenção de casos endógenos

jorusp

A China retomou as importações de carne bovina do Brasil, que estavam suspensas desde 3 de junho. A interrupção teve como motivo a notificação de um caso atípico de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), conhecida como doença da vaca louca, em Mato Grosso. Segundo o Ministério da Agricultura, “a doença foi confirmada em uma vaca de corte, com idade de 17 anos. Todo o material de risco específico para a doença foi removido do animal durante o abate de emergência e incinerado no próprio matadouro”. Para saber mais sobre como proceder em casos como esse, o Jornal da USP no Ar conversou com o professor Paulo Eduardo Brandão, do Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP.

A doença da vaca louca é neurodegenerativa, atingindo o sistema nervoso central, e seus principais sintomas são paralisia de membros do animal e alteração de comportamento. O especialista afirma que a maior preocupação é o consumo humano da carne de gado contaminado e seu uso como subproduto para alimentação de outros animais: “Se a carne desse animal for consumida por uma pessoa, há riscos de que ela desenvolva sintomas parecidos, e se essa carne for usada na alimentação de outros animais, pode haver um surto. Uma medida sanitária importante é proibir o uso de derivados desses animais de abatedouro, que podem ser usados para fabricar ração ou farinha de ossos, por exemplo, para controlar a doença, evitando sua transmissão”.

Foto: PublicDomainPictures via Pixabay / CC0

O especialista ressalta que casos eventuais, como esse que aconteceu no Brasil, podem acontecer em qualquer país do mundo. Esse caso foi endógeno e pontual, de acordo com Brandão, sendo que a doença é mais comum em animais mais velhos. “O caso atípico, como o que vimos aqui, acontece de modo espontâneo. Esses casos são muito diferentes dos típicos, que indicam surtos, como houve na Inglaterra e no Canadá há algum tempo. Por se tratar de uma doença genética crônica, os animais mais velhos são mais propensos a apresentarem a doença, porque o gene pode demorar para se manifestar”, explica.

A identificação da doença passa pelas etapas de suspeita clínica e confirmação laboratorial, para então serem realizadas as remoções de material de risco, abate e incineração, para evitar contaminações. No entanto, mais do que tomar essas medidas sanitárias básicas, é necessário realizar um trabalho preventivo. Uma das opções para evitar casos espontâneos é o melhoramento genético, que consiste na “seleção de animais que não tenham propensão a desenvolver a doença quando tiverem uma idade mais avançada, tirando da linha de produção o gado que seja mais suscetível. Isso é possível por meio de marcadores genéticos e seleções artificiais”, diz o professor. O uso dessa técnica pode evitar ou retardar a manifestação dos genes responsáveis pela encefalopatia no gado. Essa tecnologia já é utilizada amplamente em outros países, mas no Brasil ainda é necessário mais investimento.

Brandão também alerta para o fato de que “essa doença toma todos os recursos do Ministério da Agricultura, porque é de interesse econômico, por conta das exportações. Mas outras doenças, que são muito mais frequentes, foram negligenciadas em função da questão comercial. Um exemplo é a raiva, que é muito mais fácil de ser transmitida para humanos”. O especialista defende que medidas preventivas devem ser adotadas também contra outras patologias que não impactem muito a economia brasileira, mas que representem riscos à saúde pública.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •