Teleatendimento na pandemia foi essencial para manter tratamento do câncer de mama

Segundo Laura Testa, os serviços de saúde estão seguindo protocolos rígidos de segurança para que os pacientes realizem os exames de prevenção e tratamento

 13/10/2020 - Publicado há 1 ano

O mês de outubro deste ano, dedicado à prevenção do câncer de mama, coincide com a pandemia, mas especialista alerta para a importância de realizar os exames para detectar a doença, antecipar os tratamentos e frisa que as unidades de saúde, em sua maioria, estão seguindo os protocolos de prevenção à covid-19 rigorosamente para possibilitar o atendimento presencial.

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar, Laura Testa, médica responsável do Grupo de Oncologia Mamária do Icesp, vinculado à Faculdade de Medicina da USP, explica que muitas mulheres deixaram de receber os resultados ou de fazer os exames por conta da pandemia, mas reitera que os serviços de saúde em geral não pararam de atender e têm fluxos testados desde março para funcionar com segurança. Além disso, com o Estado de São Paulo adentrando na fase verde do Plano São Paulo de reabertura, há maior segurança para que os pacientes retornem às suas rotinas médicas: “Acho que agora é um momento bastante seguro para conseguir fazer esses exames e não atrasar o diagnóstico de algo que pode ser detectável numa fase com chance de cura maior”.

A médica informa que, no Icesp, o teleatendimento foi essencial para manter a regularidade das consultas dos pacientes e diminuir o impacto da pandemia sobre os tratamentos oncológicos: “Mantivemos o tratamento de todos que precisavam e mantivemos em casa as pessoas que não tinham necessidade de vir ao hospital. Isso é um tema em que atuamos bastante para conseguir diminuir o impacto [da pandemia] sobre as pessoas”.

Segundo Laura, o objetivo do Outubro Rosa é propagar a importância do diagnóstico precoce. A mamografia não vai prevenir a doença de aparecer, mas pode diagnosticar num momento em que o câncer é menor, tem maior chance de cura por estar no início e costuma ser menos agressivo: “Os exames não vão impedir que a doença apareça, mas vão permitir que a gente tenha os melhores resultados com menor agressividade”.

A especialista acredita que prestar atenção no próprio corpo, independentemente de manter a rotina dos exames, é fundamental. Se surgir alguma alteração, é necessário procurar atendimento para avaliar e investigar. No entanto, apesar de ser preocupante, a maioria dos nódulos palpáveis é benigna, principalmente quando aparecem em mulheres jovens. “Se notar alguma alteração, deve, sim, procurar rapidamente o auxílio médico para, caso seja um diagnóstico de câncer, poder fazer o tratamento o quanto antes, mas também sabendo que isso não necessariamente significa uma doença maligna.”

Para saber mais, ouça entrevista na íntegra pelo player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.