Livro discute a agricultura urbana como prática de ativismo em SP

Pesquisador do IEA diz que São Paulo tem ocupado espaços abandonados com agricultura urbana produtiva

jorusp

Agricultura é um termo que, tradicionalmente, remete ao espaço rural, mas nem por isso a agricultura urbana deixa de existir. Nas cidades, a agricultura se apresenta em formatos diferentes daqueles apresentados no campo – vastas e extensivas produções que têm como objetivo o mercado exterior. Uma das formas em que essa prática ocorre em contexto urbano é o seu uso como ativismo, discutida por Guga Nagib, doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP e membro do Grupo de Estudos Agricultura Urbana, do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, em seu livro Agricultura Urbana como Ativismo na Cidade de São Paulo (Editora Annablume).

Horta das Corujas, em São Paulo: agricultura urbana enquanto expressão ativista – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Nagib conta que, desde 2010, a cidade de São Paulo vem cada vez mais transformando seus espaços com ocupação promovida pela agricultura urbana, como hortas comunitárias e outras ações produtivas que reagregam as pessoas e reconectam-nas com a natureza. O doutorando explica a importância dessas mudanças trazidas pela agricultura urbana. Ele conta que os espaços públicos, como o próprio nome sugere, são de todos, e que muitas vezes vê-se que as praças e os parques não têm o cuidado necessário por parte do poder público. Nesse cenário, os ativistas ocupam – com o aval do poder público – esses espaços, com o objetivo de ressignificar a cidade, mostrando que ela é de todos, através, por exemplo, da promoção de reaproveitamento da água das chuvas e do plantio do próprio alimento.

O lançamento do livro contará com um debate em que estarão presentes Renato Cymbalista, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, a ativista Cláudia Visoni e o autor do livro, Guga Nagib. O debate ocorrerá no Instituto Goethe, às 19h30, em Pinheiros. O evento é gratuito e aberto a todos, de forma dinâmica, para que quem tiver interesse possa participar ativamente do debate.

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Textos relacionados