Grande parte das ultrassonografias de tireoide é desnecessária

Doutor conta ainda que o diagnóstico de doenças na glândula nem sempre é simples, já que os sintomas são ambíguos

  • 136
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

O interesse da sociedade por doenças relacionadas à tireoide tem crescido nos últimos anos. A motivação, no entanto, não é um aumento na incidência do câncer na glândula, mas, sim, o avanço dos estudos na área, que viabiliza diagnósticos precoces e tratamentos eficientes. Flávio Hojaij, professor da Faculdade de Medicina da USP e secretário da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, reforça que o cenário não é alarmante. Mesmo supondo que o número de casos tenha crescido, a mortalidade relacionada à doença não aumentou.

Hoje, a tendência observada em alguns países, como o Brasil, é de multiplicação dos pedidos de exames de ultrassom e tratamentos hormonais. No sentido contrário, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia lançou uma campanha de alerta ao uso indevido de hormônios da tireoide e requisição desnecessária de exames de dosagem hormonal e ultrassonografias. Outros países já seguem essas recomendações e priorizam a observação e monitoramento da condição da tireoide dos pacientes.  

Foto: Wikimedia Commons

O doutor conta que o médico acostumado a lidar com tireoide percebe alterações importantes na glândula com a simples palpação do pescoço. Com exames mais complexos, é possível encontrar nódulos menores. Hojaij reforça que muitas vezes o ultrassom é desnecessário, mas entende que essa prática vem como resposta à angústia e demanda das pessoas que buscam ajuda médica e querem ter certeza sobre seu quadro clínico. Hojaij afirma, ainda, que os métodos utilizados não trazem riscos à saúde dos indivíduos examinados.  

Os sintomas das doenças da tireoide são muito variados e podem causar confusão. O doutor conta que é comum que o diagnóstico inicial feito pelo médico se mostre equivocado com o desenvolvimento da doença. Acredita-se, por exemplo, se tratar de um caso de hipertireoidismo quando, na verdade, é o contrário: hipotireoidismo. Dentre os principais sinais aos quais as pessoas devem estar atentas estão cansaço, perda de peso, lentidão, aumento de frequência cardíaca e dor de garganta sem relação com inflamações.  

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  • 136
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados