Gêmeos digitais podem fazer a diferença no futuro dos processos industriais

Segundo Paulo Eigi Miyagi, a tecnologia é aplicada com os benefícios de acelerar o processo produtivo, reduzir custos e minimizar o prejuízo em acidentes

 Publicado: 14/09/2021
“Essa tecnologia é claramente vital para o futuro próximo das empresas”, afirma Paulo Eigi Miyagi – Foto: geralt/Pixabay

Os gêmeos digitais são uma tecnologia desenvolvida com o objetivo de acelerar os processos industriais, aumentar a segurança e correção de falhas. O professor Paulo Eigi Miyagi, do Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos da Escola Politécnica (Poli) da USP e membro do Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE), conversou com o Jornal da USP no Ar 1ª Edição sobre o tema.

“A ideia é que eu vou ter um sistema ou processo real, e eu tenho esse gêmeo digital no computador”, explica Miyagi: “O que acontece na realidade aparece no mundo virtual e o que eu mudo no virtual também afeta o mundo real”. O professor cita, como exemplo, os programas espaciais, em que correções a distância precisam ser feitas em foguetes e satélites que estão em órbita.

Segundo o professor, o Brasil tem grandes empresas desse tipo, principalmente nas áreas automobilística, de autopeças, petroquímica e celulose. Como pesquisador, Miyagi participa das negociações para desenvolver gêmeos digitais para essas indústrias. “Essa tecnologia é claramente vital para o futuro próximo dessas empresas”, afirma.

Além dos benefícios de acelerar o processo produtivo e reduzir custos, o gêmeo digital pode ser utilizado para minimizar acidentes. Entretanto, é necessário que os engenheiros estejam capacitados para atuar na área. “Isso é uma coisa que a gente vai ter que evoluir, a formação das pessoas em universidades, mas em outros níveis, técnico e geral, a gente tem trabalhado com esses sistemas”, diz.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.