Indefinição marca julgamento da chapa Dilma/Temer no dia 6

Para o cientista político André Singer, é muito difícil fazer qualquer previsão sobre o resultado do julgamento

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

No próximo dia 6, o Tribunal Superior Eleitoral retoma o julgamento da ação contra a chapa que reelegeu Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB) em 2014. O cenário é nebuloso. Para o cientista político André Singer, “o momento é de extrema indefinição”. Impossível fazer qualquer previsão sobre o desfecho de um julgamento que pode ser interrompido, caso algum ministro mais alinhado com o governo peça vistas do processo.

Se houver cassação da chapa, a Constituição prevê a realização de eleições indiretas pelo Congresso em um prazo de 30 dias. No entanto, a possibilidade de haver eleições diretas não está totalmente descartada. Uma das emendas que permite que isso aconteça avançou no Senado. Por outro lado, se o TSE não tomar nenhuma decisão e houver um prolongamento do processo de julgamento, as pressões contra o atual presidente devem continuar crescendo.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados