USP em Ribeirão tem plano de manejo de carrapato e capivaras

Ações bem-sucedidas reduziram em 85% o parasitismo de carrapatos em humanos, e área tem monitoramento constante

  • 109
  •  
  •  
  •  
  •  

É comum capivaras, mamífero roedor, um dos principais hospedeiros do carrapato-estrela, transitarem por parques e beiras de córregos, tanto de grandes como de pequenas cidades. Mas essa convivência pode não ser muito tranquila, pois o carrapato-estrela é o transmissor da febre-maculosa, doença que matou 28 pessoas de janeiro a setembro deste ano somente no Estado de São Paulo.

Capivaras na Raia Olímpica do campus da capital – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Como a capivara é protegida por lei, o seu controle requer cuidados especiais, como vem sendo feito num plano de manejo criado em 2011 pela Prefeitura do Campus da USP em Ribeirão Preto (PUSP-RP).  Naquele ano, foi registrada uma grande infestação de carrapatos no campus. Os gestores foram obrigados a fechar alguns espaços e implantar ações como o mapeamento dos locais com maior risco de parasitismo humano, conta o engenheiro agrônomo e responsável pelo projeto, Carlos Alberto Perez.

O primeiro passo da ação implementada em Ribeirão Preto foi o mapeamento do campus inteiro, para identificar os locais de maior risco de presença de carrapatos. Foi constatado, segundo Perez, que eles estavam, principalmente, em lugares de ampla circulação de capivaras.

Várias ações foram implementadas, como a aplicação de produtos, construção de alambrados e monitoramento constante da infestação de carrapatos. Os resultados dessa intervenção, segundo Perez, têm sido bem-sucedidos e até apresentados e publicados em congressos por estudantes. Os principais foram: o controle do carrapato não interfere na população de abelhas, que é abundante no local; e já no segundo ano das ações foi possível diminuir em 85% os casos de parasitismo humano. “Isso levou à menor exposição das pessoas ao risco de serem picadas por carrapatos e consequentemente terem febre maculosa”, diz Perez.

O agrônomo afirma que a construção de alambrados impediu o livre trânsito das capivaras, já que elas contribuem com a recolonização dos carrapatos, mas que existem outras medidas que podem ser tomadas para se fazer esse manejo, como, por exemplo, utilizar cães adestrados para afastar as capivaras dos locais de circulação de pessoas. “A construção de alambrados é muito eficiente, mas não deve interferir na fauna e na flora, e sim permitir o trânsito de pequenos animais, como quatis, por exemplo.”

Perez lembra que, na região Sudeste, ainda se morre por febre maculosa e, por isso, a atividade de monitoramento e controle deve ser constante. “No campus de Ribeirão Preto, esse monitoramento acontece todos os dias úteis do ano, pois às vezes pequenos animais roedores visitam tanto as matas ciliares como aqueles locais onde as pessoas transitam, e esses animais podem dispersar carrapatos, mas num potencial muito menor que as capivaras; mesmo assim, não dispensam monitoramento.”

 

  • 109
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados