“Toda tirania é uma insensatez”

A afirmação de Marília Fiorillo tem a ver com o tema de sua coluna de hoje (12), que trata das características que definem os vários tipos de tiranos, até mesmo os da literatura, como Macbeth

 12/08/2022 - Publicado há 2 meses

Qual é o mais insensato dos tiranos? Para a professora Marília Fiorillo, não existe resposta para essa questão – ela acredita que toda tirania é insensata, o que muda é apenas a sua forma. “Em geral, o tirano é ambicioso e vaidoso, uma qualidade muito russa, evidente no caso do totalitário Stalin e do atual tirano russo Putin, mas pode também ser discreta e implacável, uma virtude mais chinesa.” A colunista argumenta ainda que o tirano pode ser delirante e cometer atrocidades indescritíveis, “como aconteceu com o fracassado pintor austríaco chamado Adolf Hitler, que principiou tímido no pós-Primeira Guerra, mas, a cada posição de poder que conquistava, mais mergulhava no delírio de se tornar o César imortal do Terceiro Reich”.

Marília prossegue em sua tipologia dos tiranos, acrescentando na lista figuras como as de Idi Amin Dada (“tosco e grotesco”) e Pinochet. Em geral, observa ela, o tirano é tolerado pelo medo e boas alianças e sempre usa a força bruta, embora esteja sempre pronto a se valer de ardis políticos, como fez Mao Tsé-Tung, “ao incitar nos bastidores a Revolução Cultural”. As características dos tiranos não param por aí, já que também há os fracos de caráter, e aqui a colunista se vale da literatura para citar, como exemplo, o personagem usurpador Macbeth, da tragédia shakespeariana. “Embora as peças de Shakespeare sejam aulas magnas de política, em Macbeth há essa particularidade: ele é um tirano fora de lugar, não tem os atributos para tal, nem a coragem nem a malícia, só lhe resta deixar um rastro tresloucado de destruição.”

Ela conclui: “A deformação de Macbeth é a fraqueza de caráter, é por isso que ele se torna o principal carrasco de si mesmo. Cego pela desorientação do cargo, indiferente ao destino dos escoceses, é, no final, abandonado por todos; ele fracassa porque se deu a uma tentação que exigia mais do que pedia. Toda a tirania é uma insensatez, mas não há insensatez maior do que a do tirano que sucumbe à sua própria insignificância”.


Conflito e Diálogo
A coluna Conflito e Diálogo, com a professora Marília Fiorillo, vai ao ar toda sexta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.