Ambiente é o Meio #30: Violência contra mulheres cresce em regiões de lutas territoriais na Amazônia

Nos últimos anos, o número de assassinatos, ameaças e tentativas de assassinatos contra mulheres de comunidades tradicionais aumentaram, reprimindo as mulheres com mais violência, analisa geógrafa

Ambiente é o meio - USP
Ambiente é o meio - USP
Ambiente é o Meio #30: Violência contra mulheres cresce em regiões de lutas territoriais na Amazônia
/

O podcast Ambiente é o Meio desta semana conversa com a geógrafa Laura dos Santos Rougemont, professora da Universidade Federal Fluminense (UFF) e pesquisadora do Mapa de Conflitos envolvendo Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil. Especialista em geografia agrária brasileira, Laura fala sobre conflitos socioambientais e agrários e, principalmente, violência na fronteira contra mulheres. 

Os maiores índices de violência no campo estão na Amazônia, antecipa a pesquisadora que identifica o Pará e o Maranhão como os estados brasileiros campeões da violência no campo há muito tempo. E, para Laura, o Estado é o principal agente dessa violência, porque é também o “principal agente regulador do espaço”. 

Mas, onde não há a presença do Estado, “as forças privadas se apropriam e estabelecem as suas próprias leis”, conta a professora referindo-se a grandes proprietários de terra, latifundiários, agentes econômicos do ramo da mineração que possuem um controle muito grande e são predominantes nesta região. Segundo Laura, estas forças privadas “vão adentrando na Amazônia, mas sempre com o aval do Estado”.  

E as comunidades tradicionais, principalmente as mulheres, são as mais afetadas pela violência do fruto dos conflitos territoriais. Laura, que estuda casos de mulheres assassinadas por conta dos conflitos na Amazônia, afirma que apesar dos dados quantitativos mostrarem os homens como as maiores vítimas, quanto à natureza dos assassinatos, as mulheres dessas comunidades são “reprimidas com mais violência”. 

Nos últimos anos, de 2015 a 2019, o número de assassinatos, ameaças e tentativas de assassinatos contra mulheres cresce ano após ano. É que à medida que a sociedade abre espaços para a participação mais ativa das mulheres, nos ”espaços de participação política, a gente também tem mais violência contra elas”, completa Laura. 


Ambiente é o Meio

Produção e Apresentação: Professores Marcelo Marini Pereira de Souza e José Marcelino de Resende Pinto, ambos professores da FFCLRP
Coprodução e Edição: Rádio USP Ribeirão 
E-mail: ouvinte@usp.br
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS .
.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.