Biomarcadores na urina ajudam a identificar câncer de próstata

Estudo elaborado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP busca criar um teste mais barato e eficaz para detectar a doença

Pesquisadores do Laboratório de Investigação Médica da Disciplina de Urologia da Faculdade de Medicina da USP (LIM 55), em parceria com o Instituto de Ciências Biomédicas, conseguiram estabelecer uma relação entre biomarcadores na urina e o câncer de próstata. O novo método detectou pacientes com a doença a partir das amostras de urina, e, caso seja validado nos próximos testes, poderá se tornar uma opção muito menos custosa de exame, além de não ser um procedimento invasivo. O Jornal da USP no Ar conversou com a professora Katia Ramos Moreira Leite, da Disciplina de Urologia da Faculdade de Medicina, chefe do Laboratório de Investigação Médica, o LIM 55 do HC.

Katia relembrou que o projeto começou em 2014, buscando identificar marcadores e diagnósticos do câncer de próstata. O grupo passou então a comparar exames de urina e biópsias para encontrar substâncias que indicassem a presença da doença, e foi descoberto um grupo de proteínas na urina que era expresso com os pacientes cujo diagnóstico na biópsia havia sido de câncer. “O que a gente quer é conseguir rastrear um número grande de pacientes de uma maneira barata, simples e pouco agressiva, e tentando ser o mais acurado possível na identificação da doença”, explicou a professora.

Foto: NIH Medical Arts/Flickr-CC

Os principais métodos atuais de identificação da doença são o toque retal, que busca identificar uma zona de endurecimento na próstata, e o exame dos níveis de Antígeno Prostático Específico (PSA) no sangue, que muitas vezes requer uma biópsia para confirmação das suspeitas iniciais. Dessa forma, a professora contou que um dos objetivos do estudo é “evitar que se prossiga com essa investigação com metodologia mais agressiva em um paciente que eventualmente não tem nada que a suspeita indique, já que, apesar de o PSA estar alterado, ele pode não ter câncer de próstata”.

Além de ter identificado com 100% de precisão os pacientes que tinham o câncer, o novo método também se mostrou efetivo na avaliação da agressividade do tumor: “a gente não só tem que identificar se o paciente tem o tumor, mas se ele vai colocar em risco a qualidade ou a quantidade de vida do indivíduo, e conseguimos identificar nessa pesquisa aqueles tumores com pouca agressividade e aqueles com maior agressividade”, afirmou Katia. Esse diagnóstico é importante para a escolha do tratamento mais adequado para cada paciente, que pode variar desde uma observação cuidadosa até uma intervenção mais agressiva.

Ouça a entrevista na íntegra no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.