Videogames não podem ser considerados indutores de massacres

Radfahrer conta como tecnologias podem inspirar atiradores sem serem determinantes para a consolidação de tragédias

  • 14
  •  
  •  
  •  
  •  

O massacre de Suzano, ocorrido na última quarta-feira (13/3/2019), em que dois atiradores provocaram dez mortes em uma escola estadual, suscitou debates acerca da influência que a internet e as tecnologias pode ter sobre as pessoas.

Assim, na coluna Datacracia desta semana, o professor Luli Radfahrer esclarece que, ao contrário do que é muito divulgado, os videogames não podem ser considerados motivadores de massacres como o de Suzano. “É como culpar um saco de areia, porque o indivíduo treinou com ele e, então, esmurrou alguém na rua. Pelo contrário, o objeto é ótimo para descarregar a tensão”, explica.

De qualquer forma, para Radfahrer, o cuidado que as pessoas devem ter agora, após o ocorrido, é com as fake news, que estarão presentes na internet, porque as redes sociais podem reforçar pensamentos problemáticos, baseando-se em informações falsas.

Escute a íntegra da coluna no link acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 14
  •  
  •  
  •  
  •