Realidade virtual inova terapia de deficientes físicos e mentais

Docente defende a adaptação de jogos às diferentes paralisias e aposta em avanços da tecnologia

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Os videogames têm uma enorme capacidade de auxiliar no tratamento de crianças com deficiência. Os dispositivos trabalham o controle muscular e o equilíbrio, bem como a memória. Entretanto, nem todos são adaptados às necessidades de cada indivíduo.

O doutor na área de neurologia pela USP Carlos Bandeira afirma que a aplicação dessas ferramentas apresenta dificuldades clínicas, porque muitos jogos comerciais são pensados para pessoas com desenvolvimento motor e mental típico. Ele explica que, quando esse cenário se reverter, o mundo virtual será um grande avanço para os processos terapêuticos.

Bandeira é professor de Ciências da Atividade Física na Escolas de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) e acredita que o Microsoft Kinnect é o aparelho mais promissor no trabalho físico e cognitivo até o momento. A inovação não exige o uso de joysticks convencionais, permitindo que os pacientes a usem sem força manual. Apesar disso, o especialista prevê que, futuramente, a webcam promoverá uma interação muito maior com as diferentes deficiências físicas e mentais por meio da captação em três dimensões (3D).

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados