Possível segunda onda de covid-19 aumenta preocupação com programas sociais

Paulo Feldmann pontua que a economia brasileira se encontra em situação difícil, o que pode afetar programas como o microcrédito e o auxílio emergencial

 18/11/2020 - Publicado há 1 ano  Atualizado: 23/11/2020 as 10:03

Com uma possível segunda onda de infecções de coronavírus em ascensão, novas estratégias econômicas para programas sociais são discutidas pelo governo. Elas giram em torno de dois tipos de apoio: o microcrédito, para pequenos empreendedores, e o Auxílio Emergencial. Sobre este, o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou recentemente que pode ser prorrogado para 2021, caso a segunda onda se confirme. Anteriormente, o Auxílio Emergencial era previsto para acabar em dezembro de 2020. Para comentar as perspectivas nacionais em relação ao tema, o professor Paulo Feldmann, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA), deu entrevista ao Jornal da USP no Ar de hoje (18).

Feldmann explica que o número de desempregados e trabalhadores informais vem crescendo, o que faz necessário que haja “planos para atenuar esses problemas”. A adversidade do programa de microcrédito aplicado por Guedes é de que paga apenas R$ 1 mil para investimento do microempreendedor, que precisa de mais dinheiro para comprar equipamentos e investir na nova empresa, destaca o professor. Outra questão comentada é que não é claro no programa qual o prazo para devolver o recurso investido pelo governo, nem quais são as taxas de juros em cima desse valor.

Para o caso de os dois programas coexistirem em 2021, é preciso um orçamento governamental, o qual, segundo aponta o professor, não existe. Para ele, a maior dificuldade está no possível pagamento do Auxílio Emergencial no próximo ano, área que o orçamento atual não conseguiria cobrir. Como uma das soluções, Feldmann aponta uma melhor equação de recursos, tendo em vista uma reformulação na forma como a tributação é cobrada no Brasil. Na visão dele, “ricos e super-ricos” poderiam pagar Imposto de Renda sobre os ganhos que têm com aplicações financeiras e com lucros de suas empresas.

O especialista também comenta que o País teve um crescimento da economia no terceiro trimestre, mas que só aconteceu devido à aplicação do Auxílio Emergencial, que permitiu que a população consumisse mais produtos, alimentos básicos ou até eletrodomésticos. Ano que vem será um ano difícil economicamente para o Brasil, diz Feldmann. O número de pessoas com necessidade de apoio só cresce, e o Brasil segue com um alto déficit por endividamento. O professor afirma que o “governo se mostra perdido”, sem soluções à vista.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.