Consequências da tomada de decisões, em meio à pandemia, não são previsíveis

Leonardo Gomes diz que mesmo assim é necessário agir, e de forma coordenada, já que a demora da Itália gerou colapso na saúde e inúmeras mortes

jorusp

Foto: Jeso Carneiro / Flickr

A pandemia da covid-19 requer tomada de decisões em meio às incertezas, riscos e probabilidades geradas. Se sem pandemia os desafios para os governos já eram grandes, agora eles ganharam uma outra dimensão. O Jornal da USP no Ar conversou com Leonardo Gomes, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, que estuda a tomada de decisões de governos e empresas e faz uma análise em relação ao contexto da pandemia.

“Uma das primeiras coisas que temos que fazer é reconhecer o que sabemos ou não na pandemia”, resume Gomes. Primeiro se entende o que está acontecendo para compreender as lacunas que as incertezas geram. Em seguida, deve ser observado que estamos numa sociedade interdependente, em que as pessoas, empresas e governos (municipais, estaduais e federal) estão conectados. Apesar disso, o professor aponta que muitos atores da sociedade tendem a negar ou minimizar a realidade no início de uma crise. “Não é algo apenas de retórica, mas do próprio comportamento humano.”

Leonardo Gomes lembra que, quando surgiu o coronavírus na China, vários países, além do Brasil, caso da Itália e Espanha, subestimaram os efeitos da disseminação do vírus. Segundo ele, provavelmente isso ocorreu devido à dificuldade de entender como o sistema de saúde seria impactado e como seria o processo de espalhamento da doença. Para o professor, focar somente no espectro político para explicar essa situação não é a principal justificativa para a demora na tomada de decisões.

“Tomar decisões sob incertezas é muito diferente de tomar decisões sob riscos, porque parte das consequências é imprevisível”, explica Gomes. Para ele, mesmo que tomemos as melhores decisões, agora, não é garantia de que haverá melhores resultados. Ele cita o fato de que ficar adiando a tomada de decisões frente à pandemia teve um custo dramático para a Itália e a Espanha. Em situações como a que vivemos atualmente, é necessário agir antes mesmo de ter certeza da melhor estratégia para lidar com o problema.

Ainda de acordo com o professor, a dicotomia gerada entre escolher a saúde e a economia como prioridade não contribui para entender o problema que estamos enfrentando agora. Ele explica que é primordial considerar as crenças humanas, em que a vida possui valor maior que qualquer outro aspecto, não existindo produção e economia sem pessoas. “Um trauma gigantesco na sociedade pode afetar a economia por anos. Como no passado, nós podemos recuperar as economias e empresas, mas as vidas que forem perdidas não. Compreender o exemplo da Itália mostra que, quando há colapso na saúde, você leva ao colapso social e ao colapso na economia”, explica. Hoje, para contornar esses problemas, estamos nos adaptando a esse novo contexto. “Parte do mundo em que vivemos até agora talvez não existirá da mesma forma no futuro.”

Ouça a entrevista na íntegra no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.