Ciência, liberdade, espaços públicos e burocracias especializadas: onde está a verdade?

Por André Francisco Pilon, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP

 11/01/2022 - Publicado há 7 meses
André Francisco Pilon – Foto: ResearchGate GmbH

 

Acadêmicos, consultores científicos, burocracias especializadas poderiam contribuir para que o público em geral possa tomar decisões face aos interesses dominantes? Aqueles que defendem políticas baseadas em aspectos controversos, não minariam a capacidade dos cidadãos de tomarem decisões bem-informadas e responsabilizarem os políticos pelos eventuais riscos?

A busca da verdade só é possível em um contexto de liberdade. Não existe verdade oficial em ciência, cujo exercício supõe o acolhimento da controvérsia. As verdades oficiais levaram Giordano Bruno à fogueira e Galileu a uma falsa retratação (“eppur si muove’); não obstante elas continuam, qual erva maligna, a vicejar em cultivares os mais insuspeitos.

A necessidade de liberdade e controvérsia exclui uma das situações das mais clamorosas hoje em dia que reside na incorporação monolítica de teorias e práticas por entidades públicas e privadas que buscam justificar suas atividades em nome da ciência para auferir lucros ou se manter no poder, quaisquer que sejam os valores por ventura invocados.

No entanto, estudiosos e cientistas (que supostamente empenham o melhor de suas capacidades para o diagnóstico e a solução de problemas cruciais de nosso tempo), estariam sendo usados, segundo Johan Christensen (Universidade de Leiden), para manter o “status quo”, ou pior ainda, estariam mancomunados com o sistema, sob a forma de “science-business”.

O autor citado alerta para as especializações que fazem parte e servem para legitimar os discursos dominantes: “a ciência econômica é utilizada para legitimar o regime neoliberal de governo e os interesses empresariais; especialistas da área da saúde promovem uma abordagem medicada para os problemas sanitários e impulsionam os lucros das empresas farmacêuticas”.

Uma das áreas férteis de “science-business” está ligada a um sem-número de inovações tecnológicas, que, simplesmente, por se apresentarem como tais, se vêm revestidas de características quase divinas, tornam-se consagradas e, avessas à crítica, não se responsabilizam por eventuais riscos que o princípio da precaução implicaria em sua universalização.

Conforme lembra Christoph Zollikofer (Universidade de Zürich), “os humanos vivem hoje na idade da sua reprodutibilidade técnica, e o rápido desenvolvimento da engenharia genética desperta medos profundos: estamos perdendo a nossa individualidade? Tudo isto ainda é natural? E quem deve, em última análise, determinar o que pode e deve ser feito e de acordo com que critérios?”

David Schnaiter (Universidade de Innsbruck) chama a atenção para instituições, corporações, governos, empresas, organizações, partidos políticos, universidades, estados, grupos de interesses, associações e todos os demais coletivos que desempenham diferentes papeis na socialização dos seres humanos para conformar a realidade em que acreditamos e vivemos.

Poderiam as relações estabelecidas nas redes sociais (numericamente maiores, mas perfunctórias e transitórias), substituir as relações na vida real (numericamente menores, mas consistentes e duradouras)? Teriam condições de desenvolver mentalidades críticas face a questões essenciais relacionadas aos estilos de vida contemporâneos e seus reflexos ambientais?

Estas características têm consequências sociais, culturais e psicológicas. O fato de um grande número de pessoas integrar as redes sociais as nivela na média das mentalidades que as compõem, a um senso comum questionável, o que reduz a construção de um ponto de vista crítico em relação aos problemas de nosso tempo e ao atual estado do mundo.

Após tantos anos de comunicação “on line”, as devoções resultantes não levaram a transformações significativas nas formas de estar no mundo, cuja mudança, na sociedade em geral, dependerá de novos nichos socioculturais para compreender e tentar alterar as relações derivadas dos modelos atuais de crescimento, poder, riqueza e desenvolvimento.

A regeneração da natureza e a regeneração da espécie humana são interdependentes. Nada poderá ser feito enquanto os seres humanos, encantados com a aparente cornucópia de recursos naturais e tecnológicos, acreditarem que ela lhes propiciará todas as benesses, quando é exatamente o contrário e os resultados estão aí: epidemias, fome, guerra e morte.

Novas visões dependem dos contextos políticos, económicos, sociais e culturais que as apoiam ou a elas se opõem. Os problemas estão interligados e não pode haver solução para qualquer um deles sem enfrentá-los simultaneamente. As questões são concorrentes e a sua articulação depende de uma visão sistêmica para promover a sua integração e sistematização.

O processo implica aspectos temáticos (o que está em jogo), epistêmicos (como entender as coisas) e pragmáticos (quem, quando, onde). As mudanças envolvem a combinação de quatro dimensões de estar no mundo, cuja conjugação é essencial: íntima (aspectos pessoais), interativa (redes e grupos), social (política, economia) e ambiental (entornos naturais e construídos).

São fatores intervenientes, o crescimento demográfico, a urbanização, a migração; as alterações climáticas e a degradação ambiental; a crescente escassez de e a demanda global de recursos; a acelerada mudança tecnológica; as alterações de poder na economia global e no panorama geopolítico; os diferentes valores, estilos de vida e abordagens de governo.

As abordagens, em termos de políticas públicas, advocacia, comunicação, ensino e pesquisa, devem focar as raízes dos problemas, contemplando o fenômeno geral (o caldeirão efervescente) e não particularidades (as bolhas de superfície), ao sabor das manchetes do dia, dos interesses de grupos políticos e econômicos que buscam manter seu domínio e impor sua visão de mundo.

Nessas circunstâncias, como pessoas, profissionais e cidadãos, devemos continuar contribuindo para o debate, discussões, encontros, compromissos, coordenação, análise, síntese, avaliação, deveres e direitos que as inúmeras tarefas relativas à condição de estar no mundo nos apresentam, individual e coletivamente, agregando esforços e mantendo-se sempre alertas e vigilantes.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.