Medicina foi um dos maiores alvos da USP durante a ditadura

Faculdade teve prisões, expulsões, inquéritos militares, aposentadorias compulsórias e demissões sumárias

  • 108
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

O relatório final da Comissão da Verdade da USP, entregue recentemente à Reitoria, conclui que o período da ditadura militar (1964-1985) foi marcado por graves violações de direitos humanos dentro da Universidade. A Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), na capital paulista, foi um dos alvos das perseguições, com prisões, expulsões, inquéritos policiais, aposentadorias compulsórias e demissões sumárias.

Em entrevista à Rádio USP, o professor Erney Felicio Plessmann de Camargo, do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) e Professor Emérito da FMUSP, deu seu depoimento sobre esse período.

O professor Erney Plessmann de Camargo – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

Ele conta que, na época, havia um grupo de professores, em sua maioria jovens, que buscava reformar o ensino e a produção científica na faculdade, trazendo um caráter experimental e fugindo da tradição erudita que a unidade possuía, o que criava conflitos. “Nós estávamos nos tornando incômodos ao exigir uma reformulação completa do processo de pesquisa e de tratamento experimental do conhecimento médico, e não o transmitido por livros”, relata o professor.

Após o golpe militar, por meio de uma carta anônima, vários professores foram alvos de denúncias baseadas em inverdades e foi aberto um Inquérito Policial Militar (IPM). O médico foi acusado de mentir em seu currículo e de aliciar alunos para o Partido Comunista. A partir do inquérito, vários professores foram demitidos da faculdade e alguns foram embora do País – caso do professor Plessmann, que viajou aos Estados Unidos com a família às pressas.

Com o fim da ditadura, o professor foi um dos primeiros a retornar à USP. Ele lembra que vários médicos não voltaram ao Brasil ou até mudaram de carreira. Como forma de se redimir, a Faculdade de Medicina deu a todos os professores que haviam sido demitidos durante a ditadura o título de Emérito.

Os volumes do relatório final da Comissão da Verdade podem ser acessados no site oficial do programa.

O programa Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Leia mais em:
1964-1985: anos de perseguição na USP
Infográfico: Uma história a ser recontada
Comunidade USP passou por “triagem ideológica” durante a ditadura

  • 108
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados