Reitor assina convênio e discute projetos com universidades da Alemanha

O reitor participou de encontros na Universidade Humboldt de Berlim, Charité Universidade de Medicina, Universidade Técnica de Berlim e Universidade Livre de Berlim

  • 36
  •  
  •  
  •  
  •  
(Da esq. p/ dir.) O vice-reitor da Universidade de Humboldt, Peter A. Frensch; a reitora da instituição alemã, Sabine Kunst; o reitor da USP, Vahan Agopyan; e o presidente da Aucani, Raul Machado Neto – Foto: Divulgação

Discutir agendas estratégicas futuras. Esse foi o principal objetivo das visitas realizadas pelo reitor da USP, Vahan Agopyan, a instituições de ensino superior na Alemanha, no período de 1º a 5 de outubro.

Fizeram parte da programação de encontros a Universidade Humboldt de Berlim, Charité Universidade de Medicina, Universidade Técnica de Berlim e Universidade Livre de Berlim.

“Estas são universidades de primeira linha, e fiquei muito satisfeito pelo reconhecimento de nossa instituição pela comunidade alemã. Esse é o resultado de um trabalho árduo e de longo prazo e que deve ter continuidade”, destaca o reitor Vahan Agopyan.

Na Universidade Humboldt de Berlim, Agopyan, que estava acompanhado pelo presidente da Agência USP de Cooperação Acadêmica Nacional e Internacional (Aucani), Raul Machado Neto, foi recebido pela reitora da instituição, Sabine Kunst, e pelo vice-reitor para Pesquisa, Peter A. Frensch.

No encontro, os dirigentes discutiram a renovação do convênio acadêmico e científico entre as duas instituições e o lançamento de um novo edital conjunto para o desenvolvimento de projetos de pesquisa bilaterais.

A Universidade de Humboldt é a mais antiga universidade de Berlim, fundada em 1810 pelo linguista e educador Wilhelm von Humboldt, com quase 32 mil alunos, distribuídos em nove faculdades, três institutos, cinco unidades centrais e cinco centros interdisciplinares.

A colaboração entre a USP e a Humboldt não é novidade. Desde 2011, diversos projetos de pesquisa têm sido desenvolvidos em conjunto entre as duas instituições nas áreas de megacidades, clima e meio ambiente, por exemplo.

Programa de residência

No complexo de saúde Charité, considerado o maior hospital universitário da Europa, foi discutida a criação de uma parceria entre a entidade alemã e as três Faculdades de Medicina da USP, em São Paulo, Ribeirão Preto e Bauru. Além disso, também foi apresentada a proposta de implementação de um programa de residência conjunto.

Desde 2003, as escolas de medicina da Universidade de Humboldt e da Universidade Livre de Berlim foram unidas sob o nome de Charité – Universidade de Medicina. Atualmente, o hospital conta com mais de 3 mil leitos e congrega mais de 7 mil estudantes.

Na Universidade Técnica de Berlim, o principal ponto discutido foi a ampliação do convênio já existente com a USP, que, atualmente, contempla cooperação acadêmica e intercâmbio de estudantes com a Escola Politécnica (Poli).

O reitor Vahan Agopyan (à esq.) e o dirigente da Universidade Livre de Berlim, Günter Matthias Ziegler, assinam o convênio de cooperação acadêmica – Foto: Divulgação

Outro importante encontro ocorreu na Universidade Livre de Berlim, onde foi firmado um convênio de cooperação acadêmica para promover o intercâmbio de docentes, pesquisadores, estudantes de pós-graduação e de graduação e membros das equipes técnico-administrativas das respectivas instituições.

O documento foi assinado pelo reitor da USP e pelo dirigente da universidade alemã, Günter Matthias Ziegler, que assumiu o cargo em julho deste ano.

Sociedades desiguais

Uma visita à sede do Instituto de Estudos Avançados Maria Sibylla Merian (Mecila) também fez parte da agenda de trabalho.

O Mecila é integrado pela USP, pela Universidade Livre de Berlim e por outras cinco instituições: as alemãs Universidade de Colônia e Instituto Ibero-Americano, a argentina Universidade Nacional de La Plata, o Colégio do México e o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap).

Criado em abril de 2017, o instituto é voltado para o estudo sobre as formas de convivência entre grupos sociais, políticos, religiosos e culturais em sociedades desiguais, na América Latina e no Caribe, promovendo pesquisas comparativas sobre as interdependências regionais.

É um fórum de produção e disseminação do conhecimento e é caracterizado pela cooperação horizontal e simétrica entre pesquisadores de diferentes disciplinas e países, abrigando pós-doutores e pesquisadores seniores.

O instituto conta com financiamento do Ministério de Educação e Pesquisa da Alemanha e, na USP, está instalado no prédio do Centro de Difusão Internacional (CDI), no campus em São Paulo, com a coordenação da professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) e presidente do Cebrap, Ângela Maria Alonso.

Os dirigentes da USP foram recebidos por representantes da Charité Universidade de Medicina – Foto: Divulgação
  • 36
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados