Pesquisadoras da USP ganham Prêmio L'Oréal-Unesco

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Três pesquisadoras da USP foram premiadas, nesta quarta-feira, dia 23 de setembro, pelo Programa L’Oréal-Unesco para Mulheres na Ciência. As ganhadoras são Sheila Cavalcante Caetano e Lea Tenenholz Grinberg, da Faculdade de Medicina, e Elysandra Figueredo, do Departamento de Astronomia do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). A cerimônia de entrega do prêmio foi realizada no hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro.

O Programa L’Oréal-Unesco para Mulheres na Ciência é realizado em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e no Brasil conta com o apoio da Academia Brasileira de Ciências (ABC). Cada vencedora recebeu bolsa-auxílio no valor de US$ 20 mil para desenvolver seus respectivos projetos no período de um ano.

Sheila foi contemplada pelo estudo “Programa de transtorno bipolar”. O trabalho da psiquiatra, desenvolvido no ambulatório do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, envolveu o estudo de casos de crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos com transtorno bipolar.

O estudo é parte de sua pesquisa de pós-doutorado, intitulada “Avaliação volumétrica e neuroquímica de filhos de pacientes com transtorno afetivo bipolar através da espectroscopia por ressonância magnética de próton (ERM-1H)”, coordenado por Geraldo Busatto Filho, da Faculdade de Medicina da USP, e que tem apoio da FAPESP na modalidade Bolsa de Pós-Doutorado.

Outro estudo premiado também se ocupa do cérebro. “Envelhecimento cerebral” é o tema do trabalho de autoria de Lea Grinberg. O estudo é um desdobramento da pesquisa de doutorado “Correlação anantomoclínica da associação entre demências e alterações comportamentais no cérebro durante o envelhecimento”, orientado por Wilson Jacob Filho, professor da FMUSP, para a qual Lea teve bolsa da FAPESP.

De acordo com a pesquisadora, que atualmente gerencia o projeto Envelhecimento Cerebral na FMUSP, a doença de Alzheimer é geralmente considerada a mais comum entre os diagnósticos de demência. Mas o envelhecimento cerebral, afirma, é de fato o tipo mais comum de demência na população brasileira.

A proposta de criação de um catálogo das estrelas de grande massa, raras na galáxia, resultou no Prêmio L’Oréal-Unesco para Mulheres na Ciência a Elysandra Figueredo, do Departamento de Astronomia do IAG-USP.

O estudo de Elysandra – que também foi bolsista de doutorado da FAPESP – é parte de sua pesquisa de pós-doutorado sobre a formação de estrelas de alta massa, intitulado “Estrutura espiral da Via Láctea e a formação de estrelas massivas”.

O estudo foi orientado por Augusto Damineli Neto, professor titular e chefe do Departamento de Astronomia do IAG-USP, e realizado no âmbito do projeto de Auxílio à Pesquisa – Regular “Observação e modelagem de estrelas massivas”.

O projeto de Elysandra, “Criação de um catálogo das estrelas de alta massa”, tem como objetivo tentar entender como se dá a formação e quais são os diferenciais e peculiaridades das estrelas de grande massa.

A pesquisadora do IAG criou uma técnica especial com a utilização de infravermelho para medir e avaliar a distância exata dessas estrelas e delinear, da forma mais verossímil possível, os braços da Via Láctea a fim de relatar todas as suas especificidades.

As demais vencedoras são Flávia Carla Meotti, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Alexandra Zugno, da Universidade do Extremo Sul Catarinense, Annelise Casellato, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e Valéria Sandrim, da Santa Casa de Belo Horizonte.

(Com informações da Agência Fapesp)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail