Qual o papel dos personagens negros nas histórias em quadrinhos brasileiras?

Artigo publicado na revista “9ª Arte” discute o porquê de os quadrinhos brasileiros carecerem de representatividade negra, apesar de essa população ser maioria no País

Personagens negros ainda são minoria nas histórias em quadrinhos no Brasil – Foto: Raul Vinicius PixZito / Pixabay

Por Margareth Artur – Portal de Revistas USP 

Um artigo publicado recentemente na revista 9ª Arte tem como tema a baixa participação da população negra na arte do Brasil, mais especificamente nos quadrinhos, apesar de serem a maioria da população. Intitulado A maioria da população brasileira é minoria nos quadrinhos, Roberto Elísio dos Santos, livre-docente em Ciências da Comunicação na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, e autor do trabalho, tomou como inspiração os estudos do pesquisador Nobu Chinen sobre a quase inexistência do negro como personagem da chamada 9ª arte, as Histórias em Quadrinhos (HQs). Visto que a maioria da população brasileira é negra, não faz sentido tão poucos personagens negros nas histórias em quadrinhos. 

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo levantamento populacional, 43,1% dos brasileiros entrevistados se declaram brancos, 9,3% pretos e 46,5% pardos. “Se for levado em conta que os pardos têm ascendência negra, pode-se afirmar que mais da metade da população é negra ou descendente de negros.” A situação de preconceito, nos meios artísticos, vem mudando aos poucos, “mas a presença de personagens negros nos produtos midiáticos não reflete os dados sociais do País. Se somos, então, um país negro, onde estão os pretos e pardos nos meios de comunicação?”, questiona Chinen. A história brasileira mostra 400 anos de escravidão, ao longo dos quais a exclusão, a discriminação e o racismo determinaram as condições econômicas precárias, desumanas, acompanhadas pelo difícil acesso dos afrodescendentes à educação e ao digno convívio social de igualdade.

Uma das inspirações para o artigo de Roberto Elísio dos Santos foi o trabalho de Nobu Chinen sobre a quase inexistência de personagens negros nas HQs -Foto: Nobu Chinen/Reprodução

A arte, as histórias em quadrinhos, refletem as condições preconceituosas enfrentadas pela população negra, expressas graficamente com a imagem negativa do negro nesse tipo de publicação artística. Os padrões europeus dos corpos conceituados como “normais e perfeitos” sempre colocaram à margem etnias diferentes. Santos cita a revista Gibi, lançada em 1939 e publicada até os anos 1990, em que o personagem Pererê, historicamente o mais bem-sucedido personagem negro das histórias em quadrinhos, não é baseado em um ser real, é um ser mitológico do folclore brasileiro. Na revista O Tico-Tico (de 1905 a 1962), o garoto negro Giby era empregado da família.

O artista J. Carlos, em 1924, apresenta sua personagem Lamparina, uma menina negra, como alguém “que ostenta um aspecto de animal […], com os braços nas proporções de um chimpanzé”. Destaca-se que, segundo o pesquisador Chinen, esse “talvez seja o caso mais notório de uma representação negativa do negro nos quadrinhos brasileiros”. As precárias condições de vida dos afrodescendentes brasileiros foram retratadas de maneira crítica, em nossa história mais recente, por cartunistas engajados socialmente como Novaes, Henfil e, mais notadamente Edgar Vasques. Nobu Chinen, afirma Santos, “faz um inventário dos personagens negros, infantis”, pondo em cena “personagens pouco conhecidos ou esquecidos que formaram, por meio dos quadrinhos, uma visão dos afrodescendentes brasileiros, mais próximos ou distantes da grande parcela da população do Brasil”.

Artigo

SANTOS, Roberto Elísio dos. A maioria da população brasileira é minoria nos   quadrinhos. 9ª Arte, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 75-77, 2020. ISSN: 2316-9877. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/nonaarte/article/view/168128. Acesso em 09 jun. 2020.

Roberto Elísio dos Santos – Livre-docente em Ciências da Comunicação, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, vice-coordenador do Observatório de Histórias em Quadrinhos da mesma faculdade e organizador das Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos. E-mail: roberto.elisio@yahoo.com.br


Revistas da USP
A seção Revistas da USP é uma parceria entre o Jornal da USP e a Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica (Águia) que apresenta artigos de autores de diversas instituições publicados nos periódicos do Portal de Revistas USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.