Grupo de pesquisa da USP investiga empreendedorismo em periferias

Gislaine Aparecida dos Santos, coordenadora do nPeriferias, comenta as realizações do projeto e as dificuldades encontradas pelos pequenos empresários

 10/11/2020 - Publicado há 1 ano

Há um fenômeno atual de crescimento de empreendedores em periferias, movimento que influencia a economia das cidades. O grupo de pesquisa nPeriferias, do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, foi criado com a proposta de investigar e potencializar esses pequenos empresários, que fazem o que se chama de empreendedorismo popular. O projeto também analisa questões culturais, estruturais, econômicas e de violência racial e de gênero nas comunidades.

A coordenadora do projeto e professora de Gestão de Políticas Públicas da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, Gislaine Aparecida dos Santos, explicou as contribuições do projeto em entrevista ao Jornal da USP no Ar  hoje (10). Criado no ano passado, o nPeriferias não trabalha na formação de empreendedores, mas em ações diretas nos territórios, potencializando os empreendedores das regiões. 

Gislaine comenta que o empreendedorismo popular está enraizado na história do Brasil. Após a abolição da escravatura, as populações negras tinham que encontrar formas de sobreviver pela falta de políticas públicas para inseri-las na sociedade. Essas pessoas, principalmente mulheres, começaram a produzir e vender produtos por conta própria para sobreviver “diante da impossibilidade de ingresso no mercado de trabalho”.

Não há somente aspectos positivos na atuação dos pequenos empresários em periferias, destaca a professora. Por um lado, o grupo de pesquisa percebe como o talento, criatividade e conhecimento de gerência, mesmo que não técnico, são colocados em prática, alavancando a economia. Enquanto isso, por outro lado, muitos só estão nesse ramo por falta de oportunidade e de emprego.

Durante a pandemia, muitos negócios foram interrompidos ou passaram por grandes dificuldades, principalmente os feitos por mulheres negras. Muitos desses dependiam do contato presencial para acontecer, como a venda de lanches. Gislaine também pontua que algumas dessas mulheres alegam que não têm acesso a créditos e reservas de apoio por meio de políticas públicas, devido ao CPF que, por vezes, é inválido ou a discriminação por raça e gênero.

Saiba mais ouvindo a entrevista na íntegra no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.