Raios ultravioleta podem atrasar a propagação da gripe

Pesquisadores dos EUA descobriram modo de eliminar germes de contágio da doença, sem prejudicar as pessoas

O ser humano é exposto à luz ultravioleta (UV) todos os dias através dos raios solares. Estudos mostram que ela, em comprimento normal, é cancerígena. No entanto, um grupo de pesquisadores estadunidenses, liderado pelo físico David Brenner, do Centro Médico da Universidade de Columbia, em Nova York, criou um  método em que os raios UV são utilizados para atrasar a propagação da gripe. De acordo com a professora Elisabeth Mateus Yoshimura, chefe do Departamento de Física Nuclear do Instituto de Física da USP, o procedimento é seguro. Ela explica que os pesquisadores utilizam um comprimento de onda menor, o UVC, que não consegue penetrar na pele, atingindo apenas sua superfície, não prejudicando os seres humanos.

A professora conta que a ideia é utilizar essa pesquisa para esterilizar alguns locais. A luz UV ficaria em determinado ambiente, matando os micro-organismos e impedindo a propagação da doença. A prioridade são os espaços hospitalares, devido à maior necessidade de mantê-los higienizados. Atingir locais com grande aglomeração como vagões de Metrô, por exemplo, é um objetivo muito distante ainda, confirma ela.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Textos relacionados