Partículas de poluição no ar podem facilitar a propagação de coronavírus

Pedro Luiz Côrtes alerta que, mesmo com a redução de emissão de gases na quarentena, a poluição favorece a chegada do vírus às vias respiratórias

Foto: Marcos Santos / USP Imagens

atualizado em 14/04- 11h45

Esta semana, o Jornal da USP no Ar conversou com Pedro Luiz Côrtes, professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, sobre como as partículas de poluição no ar podem facilitar a propagação de vírus. 

Côrtes explica que as partículas de poluição, como a fuligem, a qual se origina da queima de combustíveis fósseis, já afeta naturalmente o trato respiratório. “Além disso, por meio de um processo chamado adsorção, outros poluentes se ligam às partículas de fuligem, um vetor para outros materiais, como os vírus, que chegam até nós”, comenta ele. 

Mesmo com a redução da emissão de gases poluentes, durante a quarentena, a poluição ainda existe, como em avenidas que concentram carros e, consequentemente, poluentes. A qualidade do ar ainda não é a ideal, aponta o professor. 

Ele ainda fala sobre a poluição dentro das residências, como na combustão do gás de cozinha. Em um ambiente confinado, é ainda mais fácil para o vírus chegar às pessoas. O professor finaliza dizendo que, mesmo nesta época do ano, em que esfria, “é importante manter os ambientes domésticos sempre ventilados para a troca de ar”. 

Ouça no player acima a íntegra do programa.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.