Papel autoral das mulheres na arte continua a ser nebuloso

Coletivos feministas criados por jovens artistas são um caminho para o enraizamento das mulheres nesse espaço

Imagem: Visual Hunt

A 91ª premiação do Oscar levantou novamente um debate antigo, mas importante: a representatividade das mulheres como autoras na arte. A cerimônia, que aconteceu em março, foi a primeira a premiar uma grande quantidade de mulheres. No total, foram 14 mulheres premiadas. Entretanto, elas ainda continuaram de fora na disputa de Melhor Direção e Melhor Filme, os prêmios principais da noite.

As mulheres foram consideradas, por séculos, apenas musas inspiradoras dos homens. O mérito de suas obras começou a ser reconhecido apenas na Modernidade e, com a ajuda dos movimentos feministas, elas conseguiram conquistar e firmar seu espaço nas artes.

A pesquisadora do Instituto de Estudos Brasileiros da USP, Talita Trizoli, comenta os motivos que levam à “desmemorização” do trabalho autoral das mulheres e discute a atual situação da mulher dentro das artes em geral. Ouça a reportagem no player acima.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.