“Não há índice que atrele o desmatamento à diminuição da desigualdade social”

Pedro Luiz Côrtes analisa fala de Paulo Guedes, que relaciona a fome às causas da destruição ambiental em discurso no Fórum Econômico Mundial

 27/05/2022 - Publicado há 2 anos
Quem realmente ganha com o desmatamento são grupos como os dos grileiros – Foto: Welington Pedro de Oliveira/Fotos Públicas

Durante o Fórum Econômico Mundial deste ano, realizado em Davos, Suíça, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que “o pior inimigo do meio ambiente é a pobreza”, acrescentando que “as pessoas destroem o meio ambiente porque precisam comer”. A associação de que o combate à pobreza acarreta a destruição ambiental é errônea, na avaliação de Pedro Luiz Côrtes, professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP.

“Não há nenhum índice que atrele o desmatamento como responsável, por exemplo, pela diminuição da desigualdade social, ou pela melhoria nas condições de educação e saúde. Não há qualquer benefício para as populações dos Estados amazônicos”, afirma Côrtes, com base num modelo de análise de desenvolvimento da Amazônia aplicado nos anos 1970, ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição

Pedro Luiz Côrtes – Foto: IEA USP

Quem realmente ganha com o desmatamento são grupos como os dos grileiros. “O que temos na verdade são grupos organizados, com recursos, invasores de terra pública, que encontram na corrupção e burocracia formas de, entre aspas, ‘legalizar’ terras invadidas e madeira extraída sem qualquer tipo de autorização.” Na avaliação do professor, esses grupos privados lucram em cima dos recursos naturais brasileiros sem qualquer retorno para o País.

Quem o governo promove

Os grileiros, madeireiros e garimpeiros também estão tendo cada vez mais facilidade para atuar diante da redução das autuações. “Nos últimos quatro anos, órgãos como o Ibama e ICMBio foram simplesmente desmantelados, então não há mais fiscalização como deveria”, afirma o professor. “Isso funciona como uma carta branca. Esse governo, na prática, vem estimulando o desmatamento da Amazônia.”

O professor critica a falta de políticas do governo para diminuir a pobreza em todo o País, refletida no aumento significativo das pessoas em situação de rua, além dos ataques sofridos pelo SUS por integrantes do próprio governo. Enquanto isso, “o desmatamento da Amazônia está gerando uma pobreza muito grande na população, porque ele não permite outras formas de desenvolvimento”.

Pode parecer que a atividade gera emprego, mas as condições serão de exploração. “Muitas vezes, as pessoas contratadas para trabalhar estão em situação análoga à escravidão e acabam sendo prejudicadas também pela questão social.”

Pedro Luiz Côrtes participa do Destaque de Meio Ambiente às sextas-feiras. Para mais análises do professor, acesse seu canal no YouTube O Ambiente é o Nosso Meio neste link.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.