Mercado de flores é aquecido pela busca por tornar a casa mais agradável na pandemia

Diferentes estratégias de vendas adotadas pelos produtores, como delivery e e-commerce, e a popularização das flores como decoração, ajudaram para que o setor tivesse alta no final de 2020

 04/03/2021 - Publicado há 7 meses  Atualizado: 09/03/2021 as 9:47
Por

 

Plantas passaram a preencher os lares e tornar o ambiente aconchegante durante o distanciamento social – Foto: Freepik

A jardinagem se tornou um hobby para muitos brasileiros durante a pandemia. As plantas passaram a preencher os lares e tornar o ambiente aconchegante durante o distanciamento social. O mercado de flores tinha expectativa de queda no início da pandemia por conta da suspensão de eventos, mas, devido a diferentes estratégias de vendas adotadas pelos produtores, como delivery e e-commerce, e a popularização das flores como decoração, o setor registrou alta no final de 2020. Segundo o Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), alguns produtores registraram aumento de até 20% nos negócios e a expectativa é que o setor cresça até 5% em 2021.

O professor Paulo Hercílio Viegas Rodrigues, do Departamento de Produção Vegetal da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP e pesquisador do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) da USP, explica que, no início da pandemia, o consumo de flores ficou em segundo plano por ser considerado supérfluo, mas após campanhas intensas dos produtores, o mercado se aqueceu e as pessoas passaram a desejar ter flores em casa, visando a amenizar o dia a dia. “O Ibraflor fez uma campanha muito interessante e acalmou o mercado. Foi quando você notou que as pessoas começaram a consumir novamente as flores. Nós estamos numa situação de pandemia, mas por que não consumir flores? Por que não trazer o verde para casa?”

De acordo com o professor, apesar do crescimento observado no mercado de flores em 2020, essa não é a realidade de todos os produtos. Ao passo que as flores envasadas e as verdes tiveram incremento nas vendas, o mercado de flores de corte ficou em baixa. “O lado negativo foram as plantas de corte, enquanto o mercado de vasos, como orquídeas, bromélias, crisântemos, todas envasadas com flor, tiveram um incremento, assim como as verdes, os cactos e as suculentas. As de corte, infelizmente, tiveram a restrição de eventos e isso prejudicou.”

O hobby da jardinagem e a busca por plantas para decoração foram fatores responsáveis pelo crescimento do mercado de flores em 2020. A psicóloga Leila Tardivo, do Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da USP, explica que um ambiente agradável é capaz de melhorar o astral, principalmente em um momento tão atípico quanto o da pandemia: “Sem dúvida nenhuma, um ambiente com plantas, bonito, agradável, faz com que a permanência fique melhor. Agora, de repente, tem gente que prefere encher de livros seu escritório, fica feliz com isso e não precisa ter uma planta, ou pode haver um equilíbrio. O ficar em casa fez com que as pessoas quisessem deixar a casa mais arrumada, mais bonita e tornar o ambiente mais agradável. Estar num lugar onde se sente bem é superimportante”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.